Covid-19: Governo equaciona novos voos de repatriamento

  • Avião da Taag Durante o embarque de passageiros
Luanda – O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, aventou, no domingo, a possibilidade de serem efectuados novos voos de repatriamento de cidadãos angolanos e estrangeiros residentes em Angola da África do Sul, Portugal e Brasil.

De acordo com o ministro, que falava à imprensa no quadro do balanço dos voos de repatriamento, ao longo dos próximos dias o Governo vai avaliar a situação, tendo em conta que houve desistências de alguns passageiros por motivos vários.

Dados disponíveis indicam que durante a operação dos voos de repatriamento dos cidadãos angolanos e estrangeiros residentes no país a companhia aérea angolana, TAAG, efectuou 38 voos para as cidades de Lisboa (Portugal), Johannesburg  e Cape Town (África do Sul) e São Paulo (Brasil).

Ao longo processo em causa foram rastreados 6.296 viajantes transportados pela TAAG, TAP, entre outras operadoras.

Dos rastreados, 16 testaram positivo à Covid-19 durante o processo de testagem pós- esembarque, os últimos sete dias, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

Para evitar a entrada da nova variante do Sars-Cov-2 detectado na África do Sul e no Reino Unido, as autoridades angolanas decidiram pela suspensão, temporária das ligações aéreas, marítimas e terrestres e a obrigatoriedade da testagem pós-desembarque dos passageiros.

De acordo com o ministro, que falava à imprensa no quadro do balanço dos voos de repatriamento, ao longo dos próximos dias o Governo vai avaliar a situação, tendo em conta que houve desistências de alguns passageiros por motivos vários.

Dados disponíveis indicam que durante a operação dos voos de repatriamento dos cidadãos angolanos e estrangeiros residentes no país a companhia aérea angolana, TAAG, efectuou 38 voos para as cidades de Lisboa (Portugal), Johannesburg  e Cape Town (África do Sul) e São Paulo (Brasil).

Ao longo processo em causa foram rastreados 6.296 viajantes transportados pela TAAG, TAP, entre outras operadoras.

Dos rastreados, 16 testaram positivo à Covid-19 durante o processo de testagem pós- esembarque, os últimos sete dias, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

Para evitar a entrada da nova variante do Sars-Cov-2 detectado na África do Sul e no Reino Unido, as autoridades angolanas decidiram pela suspensão, temporária das ligações aéreas, marítimas e terrestres e a obrigatoriedade da testagem pós-desembarque dos passageiros.