Crianças de rua ganham abrigo na Lunda Norte

Dundo – O governo da Lunda Norte está a reabilitar o antigo hotel do Chitato, para albergar as crianças de rua, anunciou hoje, quinta-feira, no Dundo, a directora do Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade de Género, Amélia Valente.

De acordo com a responsável, que falava à ANGOP a propósito do plano de acção do governo local virados a  esta franja, após a conclusão do trabalho de melhoria do edifício, serão transferidas, na primeira fase, 34 crianças que estão provisoriamente albergadas no internato do Magistério Primário.

As referidas crianças foram recolhidas em diversas ruas da cidade do Dundo, em Março de 2020, num plano estratégico do governo, que visava a prevenção dos petizes contra a pandemia do Coronavírus.

Actualmente decorrem, no antigo hotel, agora transformado em centro de acolhimento de menores, trabalhos de apetrechamento dos dormitórios, cozinha, sala, bem como a instalação de equipamentos necessários para acomodação condigna dos meninos.

A criação de uma base de dados, para se aferir de concreto quantas crianças encontram-se e as suas motivações é outro plano estratégico do governo local virado a esta franja.

Avançou, por outro lado, que este ano se prevê a entrada em funcionamento de centros de acolhimento de menores em conflito com a lei nos municípios de Lucapa e Caungula, que contribuirão na reabilitação psicológicas dos adolescentes nestas circunscrições.

 

De acordo com a responsável, que falava à ANGOP a propósito do plano de acção do governo local virados a  esta franja, após a conclusão do trabalho de melhoria do edifício, serão transferidas, na primeira fase, 34 crianças que estão provisoriamente albergadas no internato do Magistério Primário.

As referidas crianças foram recolhidas em diversas ruas da cidade do Dundo, em Março de 2020, num plano estratégico do governo, que visava a prevenção dos petizes contra a pandemia do Coronavírus.

Actualmente decorrem, no antigo hotel, agora transformado em centro de acolhimento de menores, trabalhos de apetrechamento dos dormitórios, cozinha, sala, bem como a instalação de equipamentos necessários para acomodação condigna dos meninos.

A criação de uma base de dados, para se aferir de concreto quantas crianças encontram-se e as suas motivações é outro plano estratégico do governo local virado a esta franja.

Avançou, por outro lado, que este ano se prevê a entrada em funcionamento de centros de acolhimento de menores em conflito com a lei nos municípios de Lucapa e Caungula, que contribuirão na reabilitação psicológicas dos adolescentes nestas circunscrições.