Crianças morrem após suposto consumo de mandioca venenosa

  • Mandioca comum produzida em Angola
Benguela – Três menores (irmãos) morreram na manhã desta quarta-feira, no município da Ganda, província de Benguela, alegadamente após consumirem mandioca venenosa, soube a ANGOP.

A informação foi fornecida pelo porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional em Benguela, inspector-chefe Ernesto Tchiwale, adiantando que os malogrados tinham quatro, sete e 11 anos de idade.

A fonte relatou que sete crianças se encontravam a brincar numa lavra familiar, onde terão consumido o referido tubérculo venenoso que, após algumas horas, causou a morte a três menores, encontrando-se os restantes a receber assistência médica.

“As outras quatro crianças foram rapidamente transportadas para o banco de urgência do Hospital Municipal da Ganda, e o quadro clínico das mesmas ainda inspira cuidados”, disse.

O porta-voz adiantou que seis dos menores em causa eram irmãos e residiam na mesma casa, tendo três dos quais perdido a vida.

Ernesto Tchiwale disse que os corpos dos foram depositados na morgue do hospital local, decorrendo diligências do Serviço de Investigação Criminal (SIC) para apurar as causas do sucedido.

A ANGOP contactou um agricultor que pediu anonimato e que confirmou a existência da mandioca venenosa, também conhecida como “mata-jovem”, adiantando que deve ser consumida apenas após ser transformada em fuba.

O agricultor adiantou ainda que tal tipo de tubérculo existe e predomina no interior e diferencia-se pela cor branca que apresenta em relação à mandioca normal, e por ser amarga.

A mandioca-amarga ou brava possui alto teor de ácido cianídrico (quantidade de linamarina maior que 100mg/kg), extremamente tóxico ao homem e aos animais.

Este é o primeiro caso do género que se regista na província de Benguela nos últimos anos.

A informação foi fornecida pelo porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional em Benguela, inspector-chefe Ernesto Tchiwale, adiantando que os malogrados tinham quatro, sete e 11 anos de idade.

A fonte relatou que sete crianças se encontravam a brincar numa lavra familiar, onde terão consumido o referido tubérculo venenoso que, após algumas horas, causou a morte a três menores, encontrando-se os restantes a receber assistência médica.

“As outras quatro crianças foram rapidamente transportadas para o banco de urgência do Hospital Municipal da Ganda, e o quadro clínico das mesmas ainda inspira cuidados”, disse.

O porta-voz adiantou que seis dos menores em causa eram irmãos e residiam na mesma casa, tendo três dos quais perdido a vida.

Ernesto Tchiwale disse que os corpos dos foram depositados na morgue do hospital local, decorrendo diligências do Serviço de Investigação Criminal (SIC) para apurar as causas do sucedido.

A ANGOP contactou um agricultor que pediu anonimato e que confirmou a existência da mandioca venenosa, também conhecida como “mata-jovem”, adiantando que deve ser consumida apenas após ser transformada em fuba.

O agricultor adiantou ainda que tal tipo de tubérculo existe e predomina no interior e diferencia-se pela cor branca que apresenta em relação à mandioca normal, e por ser amarga.

A mandioca-amarga ou brava possui alto teor de ácido cianídrico (quantidade de linamarina maior que 100mg/kg), extremamente tóxico ao homem e aos animais.

Este é o primeiro caso do género que se regista na província de Benguela nos últimos anos.