Atraso no pagamento abranda asfaltagem da estrada Samba Caju/Banga/Quiculungo/ Bolongongo

Ndalatando - O atraso no pagamento está na base do abrandamento da execução da asfaltagem da rede viária entre os municípios do Samba Caju, Banga, Quiculungo e Bolongongo, na província do Cuanza Norte. , iniciados em Julho de 2017.

A empreitada com prazo de execução de 15 meses está orçada em onze mil milhões, 623 milhões, 865 mil, 305 kwanzas e 20 cêntimos.

O troço de 90,5 quilómetros, que começou a ser intervencionado em 2017,  consta de um pacote de três lotes: Samba Caju/Uiangombe/Banga, num percurso de 46 quilómetros, Banga/Quiculungo, numa extensão de 35,5 quilómetros, e Quiculungo/Bolongongo, com nove quilómetros e meio.

A plataforma contempla uma camada de desgaste de cinco centímetros em betão betuminoso, outra camada de base em agregado britado de granulometria extra e uma sub-base de solo estabilizado granulometricamente sem mistura, ambas de 20 centímetros.

A obra conta com um perfil transversal de 10 metros de largura, duas faixas de rodagem com 3,5 metros cada e dois metros de berma. Contempla a construção de 50 passagens hidráulicas e sete pontes com vão entre 10 a 25 metros de cumprimento, além de obras complementares e de sinalização.

Com vista a constatar as causas e induzir uma nova dinâmica, o ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território, Manuel Tavares de Almeida, efectuou hoje, sexta-feira, uma visita ao local, onde recebeu explicações dos responsáveis da empresa encarregada dos trabalhos, Griner Engenharia S.A., sobre o andamento da obra.

O director de produção da Griner Engenharia S.A, Alberto Barbosa, informou que os trabalhos de terraplanagem terminaram, porém, devido a atrasos no pagamento de algumas tranchas levaram a empresa a abrandar o ritmo de execução da empreitada.

Esclareceu que os trabalhos apresentam um grau de execução física na ordem de 63 por cento e 40 por cento (quatro mil milhões, 649 milhões, 546 mil e 122 kwanzas) de execução física.

De acordo com dados do Instituto de Estradas de Angola (INEA) foram intervencionados até agora cerca de 65 quilómetros do traçado, dos quais 43 beneficiaram da aplicação da camada de sub-base, 17 quilómetros da camada de base e cinco quilómetros de tapete asfáltico.

Os dados indicam também a conclusão de cinco pontes e duas em via de conclusão, das sete previstas, além da construção de passagens hidráulicas e valas para a macro drenagem das águas pluviais.

Em declarações à imprensa, o ministro Manuel Tavares de Almeida reconheceu a existência de constrangimentos de pagamentos, que serão brevemente equacionados, com vista a conclusão da empreitada que está a bastante tempo em execução.

“Os trabalhos decorrem, presentemente, a um ritmo muito lento que pela previsão já deviam estar concluídos, razão pela qual devemos prestar mais atenção à conclusão da empreitada ”, frisou.

O projecto de asfaltagem da principal via de ligação entre Ndalatando (sede da província) àqueles municípios do norte do Cuanza Norte remonta a 2007, altura em que um troço de 12 quilómetros recebeu a primeira camada do tapete asfáltico e abandonado meses depois por razões desconhecidas.

O mesmo tinha sido, inicialmente, adjudicado a empresa “Metroeuropa”, com custos gerais avaliados em cerca de  35 milhões de dólares americanos, para um prazo de 12 meses.

A obra faz parte do projecto da reabilitação e asfaltagem da estrada intermunicipal entre Samba Caju, sede municipal, passando pelas vilas da Banga, de Quiculungo e de Bolongongo, até à sede da comuna de Terreiro, num total de 129 quilómetros.

 

A empreitada com prazo de execução de 15 meses está orçada em onze mil milhões, 623 milhões, 865 mil, 305 kwanzas e 20 cêntimos.

O troço de 90,5 quilómetros, que começou a ser intervencionado em 2017,  consta de um pacote de três lotes: Samba Caju/Uiangombe/Banga, num percurso de 46 quilómetros, Banga/Quiculungo, numa extensão de 35,5 quilómetros, e Quiculungo/Bolongongo, com nove quilómetros e meio.

A plataforma contempla uma camada de desgaste de cinco centímetros em betão betuminoso, outra camada de base em agregado britado de granulometria extra e uma sub-base de solo estabilizado granulometricamente sem mistura, ambas de 20 centímetros.

A obra conta com um perfil transversal de 10 metros de largura, duas faixas de rodagem com 3,5 metros cada e dois metros de berma. Contempla a construção de 50 passagens hidráulicas e sete pontes com vão entre 10 a 25 metros de cumprimento, além de obras complementares e de sinalização.

Com vista a constatar as causas e induzir uma nova dinâmica, o ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território, Manuel Tavares de Almeida, efectuou hoje, sexta-feira, uma visita ao local, onde recebeu explicações dos responsáveis da empresa encarregada dos trabalhos, Griner Engenharia S.A., sobre o andamento da obra.

O director de produção da Griner Engenharia S.A, Alberto Barbosa, informou que os trabalhos de terraplanagem terminaram, porém, devido a atrasos no pagamento de algumas tranchas levaram a empresa a abrandar o ritmo de execução da empreitada.

Esclareceu que os trabalhos apresentam um grau de execução física na ordem de 63 por cento e 40 por cento (quatro mil milhões, 649 milhões, 546 mil e 122 kwanzas) de execução física.

De acordo com dados do Instituto de Estradas de Angola (INEA) foram intervencionados até agora cerca de 65 quilómetros do traçado, dos quais 43 beneficiaram da aplicação da camada de sub-base, 17 quilómetros da camada de base e cinco quilómetros de tapete asfáltico.

Os dados indicam também a conclusão de cinco pontes e duas em via de conclusão, das sete previstas, além da construção de passagens hidráulicas e valas para a macro drenagem das águas pluviais.

Em declarações à imprensa, o ministro Manuel Tavares de Almeida reconheceu a existência de constrangimentos de pagamentos, que serão brevemente equacionados, com vista a conclusão da empreitada que está a bastante tempo em execução.

“Os trabalhos decorrem, presentemente, a um ritmo muito lento que pela previsão já deviam estar concluídos, razão pela qual devemos prestar mais atenção à conclusão da empreitada ”, frisou.

O projecto de asfaltagem da principal via de ligação entre Ndalatando (sede da província) àqueles municípios do norte do Cuanza Norte remonta a 2007, altura em que um troço de 12 quilómetros recebeu a primeira camada do tapete asfáltico e abandonado meses depois por razões desconhecidas.

O mesmo tinha sido, inicialmente, adjudicado a empresa “Metroeuropa”, com custos gerais avaliados em cerca de  35 milhões de dólares americanos, para um prazo de 12 meses.

A obra faz parte do projecto da reabilitação e asfaltagem da estrada intermunicipal entre Samba Caju, sede municipal, passando pelas vilas da Banga, de Quiculungo e de Bolongongo, até à sede da comuna de Terreiro, num total de 129 quilómetros.