Cuanza Norte: Polícia detém cidadãos por suposto furto de carris do CFL

Ndalatando - Seis cidadãos nacionais, com idades compreendidas entre 20 e 40 anos, foram detidos quarta-feira, na localidade de Queta, arredores da cidade de Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte, pela Polícia Nacional, quando subtraíam carris da linha do Caminho de Ferro de Luanda (CFL).

Em declarações à imprensa, o porta-voz do comando provincial do Cuanza Norte da Polícia Nacional, subinspector Edgar Salvador, afirmou que os meliantes foram detidos em flagrante, no seguimento de denúncias feitas por cidadãos, que davam conta da vandalização da linha.

Referiu que estão em curso diligências para a captura de um outro elemento, o suposto mandante do crime, actualmente em fuga.

Noruega de Jesus Manuel, um dos acusados, referiu que o grupo praticava o furto deste material a mando de um cidadão nacional, com identificação omitida, que pagava dez a 15 mil kwanzas a cada um, por cada acção realizada.

Referiu que os ferros eram transformados em material de construção na província de Luanda.

Por seu turno, o inspector de vias do CFL, Sebastião Acácio, indicou que os carris retirados fazem parte dos meios de reposição colocados ao longo da via, para substituição de materiais obsoletos ou ainda para serem utilizados em casos de emergências.

Sublinhou que a par desta pratica, o CFL tem sido também alvo sabotagem de travessas ao longo da via Luanda/Malanje, facto que tem estado na base de alguns descarrilamentos de locomotivas.

Em declarações à imprensa, o porta-voz do comando provincial do Cuanza Norte da Polícia Nacional, subinspector Edgar Salvador, afirmou que os meliantes foram detidos em flagrante, no seguimento de denúncias feitas por cidadãos, que davam conta da vandalização da linha.

Referiu que estão em curso diligências para a captura de um outro elemento, o suposto mandante do crime, actualmente em fuga.

Noruega de Jesus Manuel, um dos acusados, referiu que o grupo praticava o furto deste material a mando de um cidadão nacional, com identificação omitida, que pagava dez a 15 mil kwanzas a cada um, por cada acção realizada.

Referiu que os ferros eram transformados em material de construção na província de Luanda.

Por seu turno, o inspector de vias do CFL, Sebastião Acácio, indicou que os carris retirados fazem parte dos meios de reposição colocados ao longo da via, para substituição de materiais obsoletos ou ainda para serem utilizados em casos de emergências.

Sublinhou que a par desta pratica, o CFL tem sido também alvo sabotagem de travessas ao longo da via Luanda/Malanje, facto que tem estado na base de alguns descarrilamentos de locomotivas.