Cuanza Norte terá novos furos artesianos para reforçar abastecimento de água

Ndalatando - O ministro da Energia e Água, João Baptista Borges, anunciou hoje, sábado, a abertura de novos furos artesianos que serão conectados ao actual sistema de distribuição de água à cidade de Ndalatando, capital do Cuanza Norte, como alternativa para o reforço do abastecimento à circunscrição.

Esta alternativa poderá se efectivar no próximo mês de Fevereiro, decorrendo do facto de a estação de captação, a partir do Rio Mucari (a sete quilómetros da cidade de Ndalatando) contar com uma capacidade de 30 metros cúbicos por segundo, insuficiente para atender a actual demanda de mais de 200 mil habitantes.

O ministro, que falava no quadro de uma visita de algumas horas à província, adiantou estar previsto também o desassoreamento e limpeza do leito do Rio Mucari para se garantir um ligeiro aumento da quantidade de água fornecida à Estação de Tratamento de Água (ETA) de Ndalatando.

Esclareceu que a medida constitui uma alternativa para minimizar a limitação no abastecimento de água, sobretudo na época seca, em que se constata uma baixa considerável na fonte de captação, enquanto se aguarda pela solução definitiva de construção de um novo sistema, a 37 quilómetros a partir do rio Lucala.

Em relação ao projecto do Lucala, João Baptista Borges assegurou estar já concluída a desminagem do ramal onde deverá passar a conduta de água, cujos certificados foram apresentados hoje pelas operadoras das Forças Armadas e do Instituto Nacional de Desminagem.

Informou que a empreiteira que vai realizar os trabalhos, com prazo de execução de 30 meses, deverá já dar início à montagem dos estaleiros para o arranque das obras dentro de dias. As obras são financiadas pelo Banco Mundial e vão iniciar com a instalação da tubagem ao longo do troço, seguindo-se a construção das estações de captação e tratamento de água.

Actualmente decorrem trabalhos de geotecnia para o início da obra.

O novo sistema de captação, tratamento e distribuição de água para Ndalatando vai abarcar uma infra-estrutura com capacidade para 16 mil e 18 metros cúbicos de água/dia, mais 12 mil e 500 metros cúbicos em relação ao actual instalado no Rio Mucari, com três mil 518 metros cúbicos/dia.

Com este sistema, que vai funcionar em paralelo com o actual, a capacidade de distribuição será elevada para 19 mil, 513 metros cúbicos de água por dia. O equipamento prevê beneficiar 214 mil habitantes, dos quais 182 mil em Ndalatando, 21 mil e 500 na sede municipal do Lucala e 10 mil e 500 de aldeias localizadas ao longo dos 36 quilómetros da conduta principal.

 

Esta alternativa poderá se efectivar no próximo mês de Fevereiro, decorrendo do facto de a estação de captação, a partir do Rio Mucari (a sete quilómetros da cidade de Ndalatando) contar com uma capacidade de 30 metros cúbicos por segundo, insuficiente para atender a actual demanda de mais de 200 mil habitantes.

O ministro, que falava no quadro de uma visita de algumas horas à província, adiantou estar previsto também o desassoreamento e limpeza do leito do Rio Mucari para se garantir um ligeiro aumento da quantidade de água fornecida à Estação de Tratamento de Água (ETA) de Ndalatando.

Esclareceu que a medida constitui uma alternativa para minimizar a limitação no abastecimento de água, sobretudo na época seca, em que se constata uma baixa considerável na fonte de captação, enquanto se aguarda pela solução definitiva de construção de um novo sistema, a 37 quilómetros a partir do rio Lucala.

Em relação ao projecto do Lucala, João Baptista Borges assegurou estar já concluída a desminagem do ramal onde deverá passar a conduta de água, cujos certificados foram apresentados hoje pelas operadoras das Forças Armadas e do Instituto Nacional de Desminagem.

Informou que a empreiteira que vai realizar os trabalhos, com prazo de execução de 30 meses, deverá já dar início à montagem dos estaleiros para o arranque das obras dentro de dias. As obras são financiadas pelo Banco Mundial e vão iniciar com a instalação da tubagem ao longo do troço, seguindo-se a construção das estações de captação e tratamento de água.

Actualmente decorrem trabalhos de geotecnia para o início da obra.

O novo sistema de captação, tratamento e distribuição de água para Ndalatando vai abarcar uma infra-estrutura com capacidade para 16 mil e 18 metros cúbicos de água/dia, mais 12 mil e 500 metros cúbicos em relação ao actual instalado no Rio Mucari, com três mil 518 metros cúbicos/dia.

Com este sistema, que vai funcionar em paralelo com o actual, a capacidade de distribuição será elevada para 19 mil, 513 metros cúbicos de água por dia. O equipamento prevê beneficiar 214 mil habitantes, dos quais 182 mil em Ndalatando, 21 mil e 500 na sede municipal do Lucala e 10 mil e 500 de aldeias localizadas ao longo dos 36 quilómetros da conduta principal.