Defendida participação feminina na resolução de conflitos

  • Ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves.
Luanda - A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves, defendeu esta quarta-feira, em Luanda, maior participação feminina na resolução de conflitos na sociedade.

A governante falava no encerramento de uma mesa redonda sobre a participação da mulher em processos de manutenção de paz e resolução de conflitos, tendo sublinhado que a presença feminina neste campo é geralmente desconhecida, de tal  modo que não são chamadas às mesas de negociações.

Lembrou que o Conselho de Segurança da ONU  aprovou, em 2000, a histórica resolução 1325, sobre Mulher e Segurança, onde  pela primeira vez são referidas as experiências e contribuições distintas destas no contexto da paz e segurança, o que veio a permitir certa integração e visibilidade do género no campo de pacificação.

A dirigente reafirmou o compromisso do governo quanto a participação das mulheres na prevenção, desenvolvimento e implementação de planos nacionais de acção.

O encontro abordou, entre outros, temas ligados a experiência e desafios das mulheres nos órgãos de defesa e segurança e sua participação nos processos de paz e segurança em Angola.

A governante falava no encerramento de uma mesa redonda sobre a participação da mulher em processos de manutenção de paz e resolução de conflitos, tendo sublinhado que a presença feminina neste campo é geralmente desconhecida, de tal  modo que não são chamadas às mesas de negociações.

Lembrou que o Conselho de Segurança da ONU  aprovou, em 2000, a histórica resolução 1325, sobre Mulher e Segurança, onde  pela primeira vez são referidas as experiências e contribuições distintas destas no contexto da paz e segurança, o que veio a permitir certa integração e visibilidade do género no campo de pacificação.

A dirigente reafirmou o compromisso do governo quanto a participação das mulheres na prevenção, desenvolvimento e implementação de planos nacionais de acção.

O encontro abordou, entre outros, temas ligados a experiência e desafios das mulheres nos órgãos de defesa e segurança e sua participação nos processos de paz e segurança em Angola.