Pessoas com deficiência recebem meios de locomoção

  • Associação parolímpica aborda probemática de pessoas com dificiência
Luanda - Duzentos e 64 portadores de deficiência física, de nove províncias do país, beneficiaram, de Janeiro a Março deste ano, de cadeiras de rodas, triciclos e muletas canadianas.

Atribuídos pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), entre os meios de locomoção constaram 115 cadeiras de rodas, 41 pares de muletas, 65 canadianas, 9 bengalas para  deficientes visuais e 21 triciclos manuais, que beneficiaram cidadãos das províncias de Luanda, Moxico, Uíge, Benguela, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Bié, Zaire e Cunene.

A informação foi prestada esta sexta-feira, pela ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves, quando falava na mesa redonda sobre "A pessoa com deficiência", promovida pelo Comité Paralímpico.

Faustina Alves fez saber que, no âmbito da inclusão produtiva e geração de renda, em 2020, foram formados 180 pessoas para criação de 30 cooperativas, em Luanda.

Destacou, por outro lado, a formação, em 2020, de 98 pessoas em intérprete bilateral da língua gestual e língua gestual angolana e o enquadramento de 22 cidadãos com deficiência nos centros de emprego.

Reafirmou o compromisso de continuar a trabalhar na criação de condições e estratégias que visam melhorar a inclusão sócio-profissional da pessoa com deficiência.

Por sua vez, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria Rosário Bragança, lembrou que existe no país, desde 2019, um decreto que acautela bolsas de estudos para pessoas com deficiência e prevê que cada instituição do ensino público ou privado reserve 03 porcento, por cada curso, para essa franja da sociedade.

Atribuídos pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), entre os meios de locomoção constaram 115 cadeiras de rodas, 41 pares de muletas, 65 canadianas, 9 bengalas para  deficientes visuais e 21 triciclos manuais, que beneficiaram cidadãos das províncias de Luanda, Moxico, Uíge, Benguela, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Bié, Zaire e Cunene.

A informação foi prestada esta sexta-feira, pela ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves, quando falava na mesa redonda sobre "A pessoa com deficiência", promovida pelo Comité Paralímpico.

Faustina Alves fez saber que, no âmbito da inclusão produtiva e geração de renda, em 2020, foram formados 180 pessoas para criação de 30 cooperativas, em Luanda.

Destacou, por outro lado, a formação, em 2020, de 98 pessoas em intérprete bilateral da língua gestual e língua gestual angolana e o enquadramento de 22 cidadãos com deficiência nos centros de emprego.

Reafirmou o compromisso de continuar a trabalhar na criação de condições e estratégias que visam melhorar a inclusão sócio-profissional da pessoa com deficiência.

Por sua vez, a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria Rosário Bragança, lembrou que existe no país, desde 2019, um decreto que acautela bolsas de estudos para pessoas com deficiência e prevê que cada instituição do ensino público ou privado reserve 03 porcento, por cada curso, para essa franja da sociedade.