Sindicalista apela empregadores a manter postos de trabalho

  • Huíla: Obras do PIIM
Lubango - O secretário-geral provincial da União dos Sindicatos da Huíla, Bernardo Cambundo, defendeu, hoje, sábado, no Lubango, a necessidade dos empregadores manterem os postos de trabalho e melhorar os salários, apesar das dificuldades económicas vigentes.

O sindicalista fez este apelo na sua declaração por ocasião do 1º do Maio, Dia Internacional do Trabalhador, que reuniu  dentre varias entidades, membros do governo,  representações sindicais de instituições públicas e privadas, que decorreu sob o lema “ Trabalho e pão para todos”.

Bernardo Cambundo disse que deve-se impedir aos despedimentos a qualquer protesto, dando lugar a promoção dos acordos colectivos de trabalho e criação de condições de protecção, higiene e segurança no trabalho, de forma a se evitar acidentes de trabalho e doenças profissionais.

Apelou igualmente para o respeito pela convenção 190 e a recomendação 206 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que visa o combate cerrado contra a violência e assédio sexual no mundo do trabalho.

Instou o governo a reforçar os mecanismos do controlo da inflação para o estabelecimento de salário correspondente à cesta básica, o reajuste das carreiras do regime geral  e dos técnicos  em função  do tempo de serviço,  evitando disparidades salariais entre antigos e novos trabalhadores.

Aos trabalhadores, o sindicalista recomendou empenho na sua actividade, observando  disciplina, pontualidade, assiduidade, criatividade, cooperação, competência e respeito mútuo.

Na província da Huíla, estão filiados a União dos sindicatos 48 mil e 680 membros, nos diferentes ramos de actividade.

O sindicalista fez este apelo na sua declaração por ocasião do 1º do Maio, Dia Internacional do Trabalhador, que reuniu  dentre varias entidades, membros do governo,  representações sindicais de instituições públicas e privadas, que decorreu sob o lema “ Trabalho e pão para todos”.

Bernardo Cambundo disse que deve-se impedir aos despedimentos a qualquer protesto, dando lugar a promoção dos acordos colectivos de trabalho e criação de condições de protecção, higiene e segurança no trabalho, de forma a se evitar acidentes de trabalho e doenças profissionais.

Apelou igualmente para o respeito pela convenção 190 e a recomendação 206 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que visa o combate cerrado contra a violência e assédio sexual no mundo do trabalho.

Instou o governo a reforçar os mecanismos do controlo da inflação para o estabelecimento de salário correspondente à cesta básica, o reajuste das carreiras do regime geral  e dos técnicos  em função  do tempo de serviço,  evitando disparidades salariais entre antigos e novos trabalhadores.

Aos trabalhadores, o sindicalista recomendou empenho na sua actividade, observando  disciplina, pontualidade, assiduidade, criatividade, cooperação, competência e respeito mútuo.

Na província da Huíla, estão filiados a União dos sindicatos 48 mil e 680 membros, nos diferentes ramos de actividade.