Empresa de águas com aumento de receitas

  • Cunene: Empresa de Água e Saneamento
Cunene - A Empresa de Águas e Saneamento do Cunene (EASC) arrecadou, de Janeiro a Junho do corrente ano, 133 milhões 538 mil 870 kwanzas e 30 cêntimos, soube à Angop, esta terça-feira.

A administradora para área Financeira da empresa, Veridiana José, disse que registou-se um aumento de 55 milhões 710 mil 536 kwanzas e 27 cêntimos, em comparação com igual período de 2020.

Explicou que o aumento derivou das 180 novas ligações domiciliares e da mudança de comportamento de muitos consumidores, em relação ao pagamento do respectivo consumo.

Detalhou que as novas ligações foram efectuadas nos bairros Naipalala, Cafito, Caculuvale e Castilhos, arredores da cidade de Ondjiva, enquanto nos municipios de Namacunde e Ombadja foram beneficiados as localidades de Santa Clara e Xangongo, respectivamente.

Veridiana José fez saber que os clientes acumulam ainda uma divida de 267 milhões 726 mil 696 kwanzas e 46 cêntimos, das quais 143 milhões 909 mil 021 kwanzas e cinco cêntimos são de empresas publicas, 106 milhões 471 mil 847 kwanzas e oito cêntimos de domésticos, 15 milhões 387 mil 168 kwanzas de instituições particulares e um milhão 958 mil 660 de indústrias.

Disse que a empresa tem registado muitos constrangimentos na aquisição dos produtos químicos para o tratamento da água, por serem bastantes onerosos, aliado a dificuldades na sua transportação, a partir de Luanda, único mercado disponível, para o Cunene, .

De acordo com a responsável, outro problema prende-se com a aquisição de acessórios de manutenção do equipamento, situação que está na base de constantes rupturas, porque algum material vai apresentando desgaste.

Veridiana José, fez saber que EASC tem em carteira várias acções para este ano, incluindo a expansão da rede de distribuição de água na província, no sentido de permitir a melhoria da qualidade dos serviços aos cidadãos.

Actualmente a empresa controla sete mil 984 clientes nas cidades de Ondjiva, Calueque, Xangongo, Humbe, Môngua, Santa-Clara, Namacunde e Cahama.

A administradora para área Financeira da empresa, Veridiana José, disse que registou-se um aumento de 55 milhões 710 mil 536 kwanzas e 27 cêntimos, em comparação com igual período de 2020.

Explicou que o aumento derivou das 180 novas ligações domiciliares e da mudança de comportamento de muitos consumidores, em relação ao pagamento do respectivo consumo.

Detalhou que as novas ligações foram efectuadas nos bairros Naipalala, Cafito, Caculuvale e Castilhos, arredores da cidade de Ondjiva, enquanto nos municipios de Namacunde e Ombadja foram beneficiados as localidades de Santa Clara e Xangongo, respectivamente.

Veridiana José fez saber que os clientes acumulam ainda uma divida de 267 milhões 726 mil 696 kwanzas e 46 cêntimos, das quais 143 milhões 909 mil 021 kwanzas e cinco cêntimos são de empresas publicas, 106 milhões 471 mil 847 kwanzas e oito cêntimos de domésticos, 15 milhões 387 mil 168 kwanzas de instituições particulares e um milhão 958 mil 660 de indústrias.

Disse que a empresa tem registado muitos constrangimentos na aquisição dos produtos químicos para o tratamento da água, por serem bastantes onerosos, aliado a dificuldades na sua transportação, a partir de Luanda, único mercado disponível, para o Cunene, .

De acordo com a responsável, outro problema prende-se com a aquisição de acessórios de manutenção do equipamento, situação que está na base de constantes rupturas, porque algum material vai apresentando desgaste.

Veridiana José, fez saber que EASC tem em carteira várias acções para este ano, incluindo a expansão da rede de distribuição de água na província, no sentido de permitir a melhoria da qualidade dos serviços aos cidadãos.

Actualmente a empresa controla sete mil 984 clientes nas cidades de Ondjiva, Calueque, Xangongo, Humbe, Môngua, Santa-Clara, Namacunde e Cahama.