Encerradas candidaturas na centralidade do Mussungue

  • Centralidade do Kilamba, em Luanda
Dundo – As candidaturas para cedência de residências na Centralidade do Mussungue, provincia da Lunda Norte, por arrendamento, estão enceradas, anunciou hoje, quinta-feira, no Dundo, o responsável do Fundo de Fomento Habitacional, António Fernandes.

A Centralidade do Mussungue, implantado a sudoeste da Cidade do Dundo, conta com 419 edifícios, cinco mil e quatro apartamentos, 153 espaços comerciais e é composta por apartamentos de tipologia T4 e T5.

Concebido para albergar cerca de 30 mil pessoas, o projecto cuja primeira fase encontra-se subdividida em sete zonas, sendo seis habitacionais e uma de equipamentos sociais, possui um hospital com 95 camas, uma creche com 24 salas e uma escola para mil e trezentos alunos.

Os apartamentos já concluídos, a albergar mais de 15 mil pessoas, representam a primeira fase do projecto que prevê 20 mil fogos, para serem construídos de forma faseada.

De acordo com António Fernandes, dos cinco mil e quatro apartamentos, estão ocupados, até ao momento, quatro mil, 274, faltando 730 por ocupar.

Avançou que os 730 apartamentos por ocupar já têm candidatura e começam a ser entregues tão logo se concluir as obras de reparação das mesmas, consubstanciadas em substituição do sistema eléctrico, reparação das portas e de fissuras, entre outras.

Pagamentos

Sobre o assunto, o responsável denunciou que 90% por centro dos moradores da Centralidade do Mussungue não pagam as suas rendas mensais, desde 2015, que são 40 por cento do salário, quer para os trabalhadores da função públicas quer para os das empresas públicas e privadas.

Diante deste cenário, avançou que está ser feito um recadastramento dos moradores para se avaliar as dividas acumuladas pelos mesmos, a fim de se negociar o pagamento das mesmas.

Disse que uma das medidas, após o recadastramento dos moradores nesta condição, será negociar com os bancos, onde são domiciliados os salários, para os descontos automáticos.

Apelou colaboração dos referidos moradores, tendo em conta os prejuízos financeiros causados ao Estado, por não houver retorno do investimento que se fez no projecto.

 

A Centralidade do Mussungue, implantado a sudoeste da Cidade do Dundo, conta com 419 edifícios, cinco mil e quatro apartamentos, 153 espaços comerciais e é composta por apartamentos de tipologia T4 e T5.

Concebido para albergar cerca de 30 mil pessoas, o projecto cuja primeira fase encontra-se subdividida em sete zonas, sendo seis habitacionais e uma de equipamentos sociais, possui um hospital com 95 camas, uma creche com 24 salas e uma escola para mil e trezentos alunos.

Os apartamentos já concluídos, a albergar mais de 15 mil pessoas, representam a primeira fase do projecto que prevê 20 mil fogos, para serem construídos de forma faseada.

De acordo com António Fernandes, dos cinco mil e quatro apartamentos, estão ocupados, até ao momento, quatro mil, 274, faltando 730 por ocupar.

Avançou que os 730 apartamentos por ocupar já têm candidatura e começam a ser entregues tão logo se concluir as obras de reparação das mesmas, consubstanciadas em substituição do sistema eléctrico, reparação das portas e de fissuras, entre outras.

Pagamentos

Sobre o assunto, o responsável denunciou que 90% por centro dos moradores da Centralidade do Mussungue não pagam as suas rendas mensais, desde 2015, que são 40 por cento do salário, quer para os trabalhadores da função públicas quer para os das empresas públicas e privadas.

Diante deste cenário, avançou que está ser feito um recadastramento dos moradores para se avaliar as dividas acumuladas pelos mesmos, a fim de se negociar o pagamento das mesmas.

Disse que uma das medidas, após o recadastramento dos moradores nesta condição, será negociar com os bancos, onde são domiciliados os salários, para os descontos automáticos.

Apelou colaboração dos referidos moradores, tendo em conta os prejuízos financeiros causados ao Estado, por não houver retorno do investimento que se fez no projecto.