ENDE gasta mais de AKz nove milhões na reposição de cabos roubados

  • Huila:  Director da Ende,   Lauro Fortunado
  • Huila: Pormenor da Cidade do Lubango à noite
Lubango - Nove milhões, 568 mil e 494 Kwanzas é o valor despendido pela Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) na reposição de cinco mil e 721 metros de cabos eléctricos roubados de Janeiro a Novembro do ano em curso, a nível dos municípios do Lubango e Humpata, na província da Huíla.

Em declarações hoje à Angop, no Lubango, o director provincial da ENDE, Lauro Fortunato, contou que os roubos de cabos eléctricos aconteceram sobretudo nos bairros da Mitcha, Mukanka, Nambambe, Tchioco, Tchavola, no Lubango, assim como no município da Humpata.

Disse que os furtos de cabos eléctricos são alimentados pela própria população, aliciados pelo “mercado negro”, prejudicando não só a empresa na arrecadação de receitas, assim como no dispêndio de esforço financeiro não programado para a reposição.

Explicou que para mitigar essa situação a empresa tem estado a trabalhar com a Polícia Nacional no sentido de acabarem com a venda ambulante e localizarem os cidadãos envolvidos na venda e compra, para responsbilzá-los criminalmente.

Por outro lado, segundo o gestor, a reposição do material roubado é muitas vezes dificultado pela dívida acumulada de clientes individuais e colectivos, hoje estimada em mais de seis mil milhões de kwanzas, situação que impede também a expansão dos serviços da empresa para novas zonas.

A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade na Huíla conta com um universo de 86 mil 600 clientes, 26 mil 699 dos quais possuem contadores, em cinco dos 14 municípios da província, nomeadamente Lubango, Matala, Quipungo, Humpata e Chibia.

Em declarações hoje à Angop, no Lubango, o director provincial da ENDE, Lauro Fortunato, contou que os roubos de cabos eléctricos aconteceram sobretudo nos bairros da Mitcha, Mukanka, Nambambe, Tchioco, Tchavola, no Lubango, assim como no município da Humpata.

Disse que os furtos de cabos eléctricos são alimentados pela própria população, aliciados pelo “mercado negro”, prejudicando não só a empresa na arrecadação de receitas, assim como no dispêndio de esforço financeiro não programado para a reposição.

Explicou que para mitigar essa situação a empresa tem estado a trabalhar com a Polícia Nacional no sentido de acabarem com a venda ambulante e localizarem os cidadãos envolvidos na venda e compra, para responsbilzá-los criminalmente.

Por outro lado, segundo o gestor, a reposição do material roubado é muitas vezes dificultado pela dívida acumulada de clientes individuais e colectivos, hoje estimada em mais de seis mil milhões de kwanzas, situação que impede também a expansão dos serviços da empresa para novas zonas.

A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade na Huíla conta com um universo de 86 mil 600 clientes, 26 mil 699 dos quais possuem contadores, em cinco dos 14 municípios da província, nomeadamente Lubango, Matala, Quipungo, Humpata e Chibia.