Governadora pede maior empenho na recolha do lixo

  • Recolha de lixo no em Luanda no bairro Palanca
Luanda - A governadora da província de Luanda, Joana Lina, recomendou, na quarta-feira, maior entrega das operadoras na remoção permanente dos focos de lixo e sua contentorização, com o objectivo de tornar a cidade mais limpa.

O apelo foi feito durante a jornada de campo realizada nos municípios de Viana, Belas e Talatona, com o propósito de constatar de perto o trabalho de remoção dos resíduos sólidos.

Em declarações à imprensa, a governadora exigiu das operadoras resultados positivos, por forma a se acabar com os vários focos de lixo espalhados em Luanda.

‘’Já não estamos com aquele sistema de ter que se definir prazos. O mais importante é que elas se empenhem e aproveitem todo o apoio vindo da Comissão Multissectorial e outras instituições “, alertou.

De acordo com a governante, nos municípios por onde passou notou-se o compromisso das administrações e das operadoras na remoção de amontoados de lixo e na colocação de contentores.

Informou, por outro lado, que foram recebidos das antigas operadoras e por via da ministra de Estado para a Área Social cerca de 941 contentores, dos quais 557 em boas condições e os restantes carecem de reparação.

A governadora reconheceu a necessidade de se adquirir mais contentores, face as dificuldades encontradas nos três municípios visitados.

Conforme Joana Lina, por orientação do Presidente da República, João Lourenço, foi feita uma listagem de empresas que produzem contentores, através do Ministério da Indústria e Comércio, para a sua aquisição.  

A jornada de campo foi acompanhada pelos administradores locais e respectivas operadoras, designadamente Sambiente, Jump Business e o Consórcio Dassala/Envirobac.

Recorde-se que o processo para a contratação de novas operadoras, que iniciou a 24 de Fevereiro deste ano, teve a participação de 69 empresas, 39 das quais cumpriram com os requisitos, com sete apuradas.

 O concurso lançado pelo GPL surgiu na sequência do Despacho Presidencial de 23 de Fevereiro, que autoriza a despesa e formaliza a abertura do procedimento de contratação emergencial no valor de trinta e quatro mil milhões, 885 milhões, 662 mil e 22 Kwanzas para serviços de limpeza pública e recolha de resíduos sólidos.

A província de Luanda, saliente-se, produz, diariamente, pelo menos seis mil 800 toneladas de resíduos sólidos, que eram recolhidos, até 2020, por seis operadoras de limpeza.

O apelo foi feito durante a jornada de campo realizada nos municípios de Viana, Belas e Talatona, com o propósito de constatar de perto o trabalho de remoção dos resíduos sólidos.

Em declarações à imprensa, a governadora exigiu das operadoras resultados positivos, por forma a se acabar com os vários focos de lixo espalhados em Luanda.

‘’Já não estamos com aquele sistema de ter que se definir prazos. O mais importante é que elas se empenhem e aproveitem todo o apoio vindo da Comissão Multissectorial e outras instituições “, alertou.

De acordo com a governante, nos municípios por onde passou notou-se o compromisso das administrações e das operadoras na remoção de amontoados de lixo e na colocação de contentores.

Informou, por outro lado, que foram recebidos das antigas operadoras e por via da ministra de Estado para a Área Social cerca de 941 contentores, dos quais 557 em boas condições e os restantes carecem de reparação.

A governadora reconheceu a necessidade de se adquirir mais contentores, face as dificuldades encontradas nos três municípios visitados.

Conforme Joana Lina, por orientação do Presidente da República, João Lourenço, foi feita uma listagem de empresas que produzem contentores, através do Ministério da Indústria e Comércio, para a sua aquisição.  

A jornada de campo foi acompanhada pelos administradores locais e respectivas operadoras, designadamente Sambiente, Jump Business e o Consórcio Dassala/Envirobac.

Recorde-se que o processo para a contratação de novas operadoras, que iniciou a 24 de Fevereiro deste ano, teve a participação de 69 empresas, 39 das quais cumpriram com os requisitos, com sete apuradas.

 O concurso lançado pelo GPL surgiu na sequência do Despacho Presidencial de 23 de Fevereiro, que autoriza a despesa e formaliza a abertura do procedimento de contratação emergencial no valor de trinta e quatro mil milhões, 885 milhões, 662 mil e 22 Kwanzas para serviços de limpeza pública e recolha de resíduos sólidos.

A província de Luanda, saliente-se, produz, diariamente, pelo menos seis mil 800 toneladas de resíduos sólidos, que eram recolhidos, até 2020, por seis operadoras de limpeza.