Governo de Benguela distribui meios para recolha de resíduos sólidos

  • Amontoado de lixo (Arquivo)
Benguela – O saneamento básico nas cidades de Benguela e do Lobito poderá conhecer alguma melhoria nos próximos dias, com a recepção, nesta quinta-feira, de alguns meios técnicos para recolha de resíduos sólidos, apurou a ANGOP.

Trata-se de dois tractores para o município de Benguela e um para o Lobito, 25 contentores de lixo e 15 barcas para cada uma das cidades.

Entregues pelo vice-governador para área técnica e infra-estruturas, Adilson Gonçalves, que hoje trabalhou nas duas circunscrições, espera-se que esses meios possam juntar-se aos já existentes para melhoria da salubridade nas duas cidades e arredores.

Em declarações à ANGOP, o administrador municipal adjunto de Benguela para infra-estruturas, António Lara Ndakayasunga, referiu que recentemente o governador da província, Luís Nunes, radiografou algumas zonas desta circunscrição, tendo constatado alguns amontoados de lixo, sobretudo na época chuvosa, e esses meios surgem para atenuar a situação.

“O governo da província entrega esses para atenuar a situação, mas certamente continuaremos a trabalhar para garantir melhores condições de salubridade e habitabilidade aos nossos munícipes e visitantes”, disse.

Segundo aquele responsável, no caso especifico da cidade de Benguela, as prioridades passam pelas zonas A, B e F, áreas suburbanas da cidade.

Informou ainda que uma directiva própria define, para as zonas suburbanas, as áreas de recolha como sendo “pontos de recolha de lixo”, enquanto nas áreas urbanas estas estão definidas por “malhas ou corredores”, onde os contentores devem situar-se de uma ponta da rua à outra”.

Para o administrador adjunto, nas zonas urbanas, estes meios, principalmente os tractores, serão também usados para a poda de árvores, o que vai ajudar na melhoria da imagem da cidade.

Por outro lado, a zona alta do município do Lobito apresenta maior preocupação dos munícipes, a par do bairro da Canata, porém, tentativas no sentido de abordar as autoridades locais resultaram infrutíferas.

Trata-se de dois tractores para o município de Benguela e um para o Lobito, 25 contentores de lixo e 15 barcas para cada uma das cidades.

Entregues pelo vice-governador para área técnica e infra-estruturas, Adilson Gonçalves, que hoje trabalhou nas duas circunscrições, espera-se que esses meios possam juntar-se aos já existentes para melhoria da salubridade nas duas cidades e arredores.

Em declarações à ANGOP, o administrador municipal adjunto de Benguela para infra-estruturas, António Lara Ndakayasunga, referiu que recentemente o governador da província, Luís Nunes, radiografou algumas zonas desta circunscrição, tendo constatado alguns amontoados de lixo, sobretudo na época chuvosa, e esses meios surgem para atenuar a situação.

“O governo da província entrega esses para atenuar a situação, mas certamente continuaremos a trabalhar para garantir melhores condições de salubridade e habitabilidade aos nossos munícipes e visitantes”, disse.

Segundo aquele responsável, no caso especifico da cidade de Benguela, as prioridades passam pelas zonas A, B e F, áreas suburbanas da cidade.

Informou ainda que uma directiva própria define, para as zonas suburbanas, as áreas de recolha como sendo “pontos de recolha de lixo”, enquanto nas áreas urbanas estas estão definidas por “malhas ou corredores”, onde os contentores devem situar-se de uma ponta da rua à outra”.

Para o administrador adjunto, nas zonas urbanas, estes meios, principalmente os tractores, serão também usados para a poda de árvores, o que vai ajudar na melhoria da imagem da cidade.

Por outro lado, a zona alta do município do Lobito apresenta maior preocupação dos munícipes, a par do bairro da Canata, porém, tentativas no sentido de abordar as autoridades locais resultaram infrutíferas.