Governo defende conjugação de esforços no combate ao trabalho infantil

  • Lunda Norte: Deolinda Satula,  Vice Governadora para o Sector Politico  Social e Economico
Dundo – A vice-governadora para o sector Social, Politico e Social da Lunda Norte, Deolinda Satula, apelou hoje, quarta-feira, a conjugação de esforços no combate ao trabalho infantil e tráfico de menores.

Em declarações à imprensa, por ocasião do Dia da Criança Africana, Deolinda Satula disse ser necessário que os adultos deixem de usar as crianças como mão-de-obra barata,  por constituir um crime e/ou violação dos direitos dos petizes.

Considerou fundamental que a sociedade denuncie os adultos que utilizam crianças para a venda ambulante, a fim de serem responsabilizados civil e criminalmente, acrescentando que o governo continua a trabalhar na implementação de políticas concretas para garantir a protecção desta franja.  

A vice-governadora acredita que o fenómeno de crianças na rua tem sido motivado por actos de violência doméstica nos lares, a falta de melhores condições sociais, conflitos familiares, entre outras questões.

Por este facto, aconselha as famílias a pautarem pelo diálogo na resolução dos conflitos e a salvaguardarem os direitos das crianças, sobretudo o acesso a educação, saúde, protecção e alimentação.

Reiterou que está a ser criado um centro de acolhimento de crianças de rua e órfãos no município de Chitato, para além dos centros de reeducação de menores em conflito com a lei.

Em declarações à imprensa, por ocasião do Dia da Criança Africana, Deolinda Satula disse ser necessário que os adultos deixem de usar as crianças como mão-de-obra barata,  por constituir um crime e/ou violação dos direitos dos petizes.

Considerou fundamental que a sociedade denuncie os adultos que utilizam crianças para a venda ambulante, a fim de serem responsabilizados civil e criminalmente, acrescentando que o governo continua a trabalhar na implementação de políticas concretas para garantir a protecção desta franja.  

A vice-governadora acredita que o fenómeno de crianças na rua tem sido motivado por actos de violência doméstica nos lares, a falta de melhores condições sociais, conflitos familiares, entre outras questões.

Por este facto, aconselha as famílias a pautarem pelo diálogo na resolução dos conflitos e a salvaguardarem os direitos das crianças, sobretudo o acesso a educação, saúde, protecção e alimentação.

Reiterou que está a ser criado um centro de acolhimento de crianças de rua e órfãos no município de Chitato, para além dos centros de reeducação de menores em conflito com a lei.