Governo do Huambo vai inscrever novos projectos no OGE/2022

Huambo – O Governo da província do Huambo projecta inscrever vários projectos de impacto económico-social no Orçamento Geral do Estado (OGE) para o exercício económico 2022, com foco na promoção do crescimento sustentável, soube a Angop.

Trata-se da construção de um novo cemitério municipal, com infra-estruturas e zonas peri-urbanas, a recuperação do Pólo de Desenvolvimento Industrial local, construção dos edifícios do Tribunal da Comarca do Huambo e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A informação foi avançada esta segunda-feira, pela governadora local, Lotti Nolika, durante o primeiro briefing com a imprensa, salientando que o Governo vai ainda trabalhar na conclusão das obras das pontes sobre os rios Côngue e Calopato, de acesso ao mercado da Alemanha.

Consta ainda a expansão da rede de distribuição pública e domiciliar de energia eléctrica, a requalificação da estrada que liga a cidade do Huambo ao aterro sanitário, na localidade de Cateñguenha, bem como o troço Cuima/Cusse, em direcção à província da Huíla.

Conforme a governante, o Governo do Huambo prevê ainda a recuperação das vias secundárias e terciárias, para tornar a circulação de pessoas e bens mais fluidas entre o campo e a cidade, reforço do abastecimento de água potável e a distribuição de inputs agrícolas aos camponeses, com reajuste dos projectos do PIIM.

PIIM – o motor do combate às assimetrias

Noutra vertente das suas declarações, Lotti Nolika lembrou que no domínio do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) foram inscritas 306 acções, 228 das quais em execução nos 11 municípios.

Informou que estas acções consumiram mais de 24 mil milhões de Kwanzas, sendo que KZ 17 mil milhões foram empregues em projectos de âmbito central, numa altura em que 78 acções estão em vias de concurso público, de modos a melhorar a qualidade de vida dos mais de dois milhões e 500 habitantes desta região.

Informou que, para o sector da Educação, este programa, de iniciativa do Presidente da República, João Lourenço, prevê a construção de 46 escolas, com um total de 393 salas de aula, para albergarem 17 mil e 685 alunos que, na sua maioria, estudam em lugares improvisados.

Já no domínio da assistência médica/medicamentosa, Lotti Nolika disse estarem a ser construídos 16 postos de saúde, oito centros médicos, para além de um centro materno/infantil, num total de 510 novas camas, com o objectivo de colocar os serviços sanitários mais próximos da população.

Segundo a governante, o sector da energia e águas contempla 55 projectos, destes, nove acções de requalificação da rede eléctrica, aquisição de sete novos grupos geradores, a colocação de 33 furos e seis captações e tratamento de água potável em todos municípios da província.

No caso particular da sede da província, Lotti Nolika disse que a cidade do Huambo tem uma cobertura de 100 por cento em termos de abastecimento de água potável, ao passo que a zona periférica tem perto de 55 por cento.

Disse que até ao momento foram inauguradas 24 salas de aula, nos municípios do Bailundo e Mungo, para além de oito quilómetros de estradas asfaltadas na Caála, quatro centros de saúde, isto na Caála, Huambo e Longonjo, esta última municipalidade que beneficiou ainda de um parque infantil e uma ponte.

Referiu que, entre os projectos de âmbito central, consta a construção dos hospitais pediátrico do Huambo e da Ecunha, assim como a requalificação do  hospital municipal do Bailundo, a conclusão do centro cultural e da Ombala Mbalundu, para além das 41 mil ligações de abastecimento de água e a edificação da central térmica do Bailundo.

Disse constar ainda as obras de construção do Centro de Formação dos Jornalistas (CEFOJOR), o (CIFOTEC), a cidadela de jovens e a conclusão da centralidade do Bailundo.

Trata-se da construção de um novo cemitério municipal, com infra-estruturas e zonas peri-urbanas, a recuperação do Pólo de Desenvolvimento Industrial local, construção dos edifícios do Tribunal da Comarca do Huambo e da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A informação foi avançada esta segunda-feira, pela governadora local, Lotti Nolika, durante o primeiro briefing com a imprensa, salientando que o Governo vai ainda trabalhar na conclusão das obras das pontes sobre os rios Côngue e Calopato, de acesso ao mercado da Alemanha.

Consta ainda a expansão da rede de distribuição pública e domiciliar de energia eléctrica, a requalificação da estrada que liga a cidade do Huambo ao aterro sanitário, na localidade de Cateñguenha, bem como o troço Cuima/Cusse, em direcção à província da Huíla.

Conforme a governante, o Governo do Huambo prevê ainda a recuperação das vias secundárias e terciárias, para tornar a circulação de pessoas e bens mais fluidas entre o campo e a cidade, reforço do abastecimento de água potável e a distribuição de inputs agrícolas aos camponeses, com reajuste dos projectos do PIIM.

PIIM – o motor do combate às assimetrias

Noutra vertente das suas declarações, Lotti Nolika lembrou que no domínio do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) foram inscritas 306 acções, 228 das quais em execução nos 11 municípios.

Informou que estas acções consumiram mais de 24 mil milhões de Kwanzas, sendo que KZ 17 mil milhões foram empregues em projectos de âmbito central, numa altura em que 78 acções estão em vias de concurso público, de modos a melhorar a qualidade de vida dos mais de dois milhões e 500 habitantes desta região.

Informou que, para o sector da Educação, este programa, de iniciativa do Presidente da República, João Lourenço, prevê a construção de 46 escolas, com um total de 393 salas de aula, para albergarem 17 mil e 685 alunos que, na sua maioria, estudam em lugares improvisados.

Já no domínio da assistência médica/medicamentosa, Lotti Nolika disse estarem a ser construídos 16 postos de saúde, oito centros médicos, para além de um centro materno/infantil, num total de 510 novas camas, com o objectivo de colocar os serviços sanitários mais próximos da população.

Segundo a governante, o sector da energia e águas contempla 55 projectos, destes, nove acções de requalificação da rede eléctrica, aquisição de sete novos grupos geradores, a colocação de 33 furos e seis captações e tratamento de água potável em todos municípios da província.

No caso particular da sede da província, Lotti Nolika disse que a cidade do Huambo tem uma cobertura de 100 por cento em termos de abastecimento de água potável, ao passo que a zona periférica tem perto de 55 por cento.

Disse que até ao momento foram inauguradas 24 salas de aula, nos municípios do Bailundo e Mungo, para além de oito quilómetros de estradas asfaltadas na Caála, quatro centros de saúde, isto na Caála, Huambo e Longonjo, esta última municipalidade que beneficiou ainda de um parque infantil e uma ponte.

Referiu que, entre os projectos de âmbito central, consta a construção dos hospitais pediátrico do Huambo e da Ecunha, assim como a requalificação do  hospital municipal do Bailundo, a conclusão do centro cultural e da Ombala Mbalundu, para além das 41 mil ligações de abastecimento de água e a edificação da central térmica do Bailundo.

Disse constar ainda as obras de construção do Centro de Formação dos Jornalistas (CEFOJOR), o (CIFOTEC), a cidadela de jovens e a conclusão da centralidade do Bailundo.