Governo quer mais mulheres focadas no empreendedorismo

Cuito - O Governo da província do Bié quer cada vez mais mulheres jovens apostarem seriamente no empreendedorismo, de modo a contribuírem no desenvolvimento da região e do sustento das famílias.

De acordo com o vice-governador para o sector técnico e infra-estruturas desta província, José Fernando Tchatuvela, que falava no acto de abertura do primeiro fórum da Jovem Mulher, promovida pelo Conselho Provincial da Juventude (CPJ) do Bié, que decorre no Cuito, sublinhou que, para isso, as mulheres devem apostar na aquisição de conhecimentos científicos, técnicos e profissionais, para o êxito do auto-negócio.

Por este motivo, valorizou a iniciativa do CPJ pelo facto de ter realizado, primeiro, os encontros municipais, que culmina hoje no fórum provincial, que visa estimular as mulheres a fim de aderirem ao empreendedorismo, bem como fomentarem o auto-emprego nesta parcela do território nacional.

Já o presidente em exercício do Conselho Provincial da Juventude, Faustino Sassango, assegurou que iniciativas do género vão continuar a ser promovidas nesta região, com vista a permitir que os jovens no geral enveredem pelo auto-emprego, com o apoio do Governo angolano.

 

Nesta província foi aprovado, no mês passado, o Plano Estratégico da Juventude 2021-2022,  que visa apoiar os jovens na materialização de alguns dos seus problemas nas mais diversas áreas.

 

Elaborado pelo Gabinete Provincial da Cultura, Turismo e Juventude e Desportos, com apoio do Programa de Apoio à Protecção Social (APROSOC),  o documento incidi nas áreas de oportunidades económicas e empreendedorismo, educação, formação técnico profissional, desporto, cultura, lazer e tempos livres, saúde e qualidade de vida, diálogo e desenvolvimento local.

Terá como suporte os programas de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), Fundo Activo de Capital de Riscos Angolanos (FACRA), Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), Programa de Desenvolvimento Local de Combate à Pobreza (PDLCP), bem como outros instrumentos apoiados pelo Governo e ONGs.

Durante o encontro, que termina ainda hoje, as participantes vão debater temas como economia doméstica em tempo de crise financeira, um passo para a saúde familiar, políticas de Estado para a inserção da mulher na vida socioeconómica e política de Angola, virtudes no feminino, uma ferramenta de combate à corrupção e de valores nas famílias e o emponderamento feminino versus feminismo em Angola, vantagens e desvantagens da cultura angolana.

De acordo com o vice-governador para o sector técnico e infra-estruturas desta província, José Fernando Tchatuvela, que falava no acto de abertura do primeiro fórum da Jovem Mulher, promovida pelo Conselho Provincial da Juventude (CPJ) do Bié, que decorre no Cuito, sublinhou que, para isso, as mulheres devem apostar na aquisição de conhecimentos científicos, técnicos e profissionais, para o êxito do auto-negócio.

Por este motivo, valorizou a iniciativa do CPJ pelo facto de ter realizado, primeiro, os encontros municipais, que culmina hoje no fórum provincial, que visa estimular as mulheres a fim de aderirem ao empreendedorismo, bem como fomentarem o auto-emprego nesta parcela do território nacional.

Já o presidente em exercício do Conselho Provincial da Juventude, Faustino Sassango, assegurou que iniciativas do género vão continuar a ser promovidas nesta região, com vista a permitir que os jovens no geral enveredem pelo auto-emprego, com o apoio do Governo angolano.

 

Nesta província foi aprovado, no mês passado, o Plano Estratégico da Juventude 2021-2022,  que visa apoiar os jovens na materialização de alguns dos seus problemas nas mais diversas áreas.

 

Elaborado pelo Gabinete Provincial da Cultura, Turismo e Juventude e Desportos, com apoio do Programa de Apoio à Protecção Social (APROSOC),  o documento incidi nas áreas de oportunidades económicas e empreendedorismo, educação, formação técnico profissional, desporto, cultura, lazer e tempos livres, saúde e qualidade de vida, diálogo e desenvolvimento local.

Terá como suporte os programas de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), Fundo Activo de Capital de Riscos Angolanos (FACRA), Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), Programa de Desenvolvimento Local de Combate à Pobreza (PDLCP), bem como outros instrumentos apoiados pelo Governo e ONGs.

Durante o encontro, que termina ainda hoje, as participantes vão debater temas como economia doméstica em tempo de crise financeira, um passo para a saúde familiar, políticas de Estado para a inserção da mulher na vida socioeconómica e política de Angola, virtudes no feminino, uma ferramenta de combate à corrupção e de valores nas famílias e o emponderamento feminino versus feminismo em Angola, vantagens e desvantagens da cultura angolana.