GPL cede infra-estrutura de hospital para PN

  • Joana Lina, governador provincial de Luanda
Luanda – O Governo Provincial de Luanda (GPL) cedeu, nesta terça-feira, uma infra-estrutura ao Comando Geral da PN onde vai funcionar o futuro Hospital do Comando Provincial da Polícia Nacional, no quilómetro 36, distrito urbano de Bom Jesus, município de Icolo e Bengo.

A infra-estrutura da responsabilidade do GPL e com as obras paralisadas há anos por falta de recursos financeiros vai ser concluída pelo Comando Geral da Polícia Nacional.

A cedência da infra-estrutura foi formalizada depois da assinatura de um protocolo rubricado pela governadora Joana Lina e pelo comandante geral da PN, Paulo de Almeida.

Na ocasião, a gestora de Luanda apelou ao comandante geral para que a assistência médica e medicamentosa seja extensiva à população residente nos arredores da futura unidade hospitalar, já que a mesma estava a ser construída para a comunidade.

Por seu turno, o comandante geral da PN, Paulo de Almeida, afirmou que para além dos efectivos da polícia, a unidade hospitalar vai  prestar também atenção sanitária aos munícipes.

Reafirmou que prestar serviços à população em todo o território nacional é um acto tradicional que a PN pretende perpectuar.

 

 

 

A infra-estrutura da responsabilidade do GPL e com as obras paralisadas há anos por falta de recursos financeiros vai ser concluída pelo Comando Geral da Polícia Nacional.

A cedência da infra-estrutura foi formalizada depois da assinatura de um protocolo rubricado pela governadora Joana Lina e pelo comandante geral da PN, Paulo de Almeida.

Na ocasião, a gestora de Luanda apelou ao comandante geral para que a assistência médica e medicamentosa seja extensiva à população residente nos arredores da futura unidade hospitalar, já que a mesma estava a ser construída para a comunidade.

Por seu turno, o comandante geral da PN, Paulo de Almeida, afirmou que para além dos efectivos da polícia, a unidade hospitalar vai  prestar também atenção sanitária aos munícipes.

Reafirmou que prestar serviços à população em todo o território nacional é um acto tradicional que a PN pretende perpectuar.