IGAE pede rapidez na execução das obras do PIIM

  • Cunene: Implementação de obras no município do Cuanhama
Cunene - A Inspecção Geral da Administração do Estado (IGAE) na província do Cunene solicitou, hoje, quinta-feira, maior rapidez na execução das infra-estruturas sociais enquadradas no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Em declarações à ANGOP, o delegado provincial do (IGAE), Moisés Savi, referiu que a instituição tem constatado inúmeras irregularidades no cumprimento dos prazos de execução das obras, algumas das quais com execução financeira a 100 por cento.

“Tem-se constatado, durante as acções inspectivas, a existência de obras do PIIM e do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, com o pagamento feito a 100 por cento, mais com um ritmo que deixa a desejar”, advertiu.

Por isso, Moisés Savi apelou aos empreiteiros no sentido de concluírem as obras, tendo em conta que as infra-estruturas visam o bem-estar das populações.

A delegação da IGAE no Cunene foi instalada a 17 de Março deste ano, tendo já registado 12 denúncias diversas.

As mesmas incidiram sobre actos de corrupção, que se traduziram em facilidades no atendimento público, para além do recebimento indevido de vantagens e demora excessiva na resposta aos utentes dos serviços.

A IGAE tem como objectivo efectivar o controlo interno do funcionamento da administração do estado.

 

Em declarações à ANGOP, o delegado provincial do (IGAE), Moisés Savi, referiu que a instituição tem constatado inúmeras irregularidades no cumprimento dos prazos de execução das obras, algumas das quais com execução financeira a 100 por cento.

“Tem-se constatado, durante as acções inspectivas, a existência de obras do PIIM e do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, com o pagamento feito a 100 por cento, mais com um ritmo que deixa a desejar”, advertiu.

Por isso, Moisés Savi apelou aos empreiteiros no sentido de concluírem as obras, tendo em conta que as infra-estruturas visam o bem-estar das populações.

A delegação da IGAE no Cunene foi instalada a 17 de Março deste ano, tendo já registado 12 denúncias diversas.

As mesmas incidiram sobre actos de corrupção, que se traduziram em facilidades no atendimento público, para além do recebimento indevido de vantagens e demora excessiva na resposta aos utentes dos serviços.

A IGAE tem como objectivo efectivar o controlo interno do funcionamento da administração do estado.