INE prevê aumento populacional de 3, 4 por cento no Huambo

  • Feira da Saúde na Cidade do Huambo
Huambo – A projecção do crescimento populacional da província do Huambo, para 2021, prevê um aumento de 85 mil e 228 habitantes, equivalentes a 3,4 por cento, segundo apurou hoje, quarta-feira, ANGOP.

 

De acordo com os dados desta instituição a que a ANGOP teve acesso, a população local poderá passar, até o dia 31 de Dezembro deste ano, de dois milhões, 471 mil e 780, para dois milhões, 557 mil e oito habitantes.

A mesma deverá estar distribuída em um milhão, 238 mil e 677 na zona urbana e um milhão, 318 mil e 331 na zona rural.

O documento institucional indica que, apesar do aumento de 3, 4 por cento, a província do Huambo continuará ser a quarta região mais populosa do país, depois de Luanda, com mais oito milhões, Huíla, com mais de três milhões e Benguela, com dois milhões, 679 mil e 641 habitantes.

Em termos de género, a franja feminina será a que mais crescimento poderá registar, com uma cifra estimada em um milhão, 329 mil e 818, ao passo que a masculina em um milhão e 227 mil e 190.

Segundo o documento, a projecção de crescimento será fruto de uma taxa de natalidade estimada em  41,1 por cento, isto é, 41 filhos em cada cem habitantes, comparando com a taxa de mortalidade, indexada em oito mortes por cada 100 cidadãos.

O município do Huambo continuará a ser o mais populoso, com uma densidade populacional estimada em 903 mil de habitantes, seguido do Bailundo, com mais de 372 mil, enquanto o Chinjenje, mantém a posição de menos habitado, com uma cifra de 38 mil moradores.

Quanto à esperança de vida, a previsão para 2021, segundo os dados, é de 61 anos, sendo 60 para homens e 63 para mulheres.

Composta por 11 municípios (Bailundo, Caála, Cachiungo, Chicala-Cholohanga, Chinjenje, Ecunha, Huambo, Londuimbali, Longonjo, Mungo e Ucuma), a província do Huambo, localizada no planalto central de Angola, a 600 quilómetros de distância a Sul da capital do país (Luanda), possui uma extensão territorial de 35 mil e 771 quilómetros quadrados.

 

De acordo com os dados desta instituição a que a ANGOP teve acesso, a população local poderá passar, até o dia 31 de Dezembro deste ano, de dois milhões, 471 mil e 780, para dois milhões, 557 mil e oito habitantes.

A mesma deverá estar distribuída em um milhão, 238 mil e 677 na zona urbana e um milhão, 318 mil e 331 na zona rural.

O documento institucional indica que, apesar do aumento de 3, 4 por cento, a província do Huambo continuará ser a quarta região mais populosa do país, depois de Luanda, com mais oito milhões, Huíla, com mais de três milhões e Benguela, com dois milhões, 679 mil e 641 habitantes.

Em termos de género, a franja feminina será a que mais crescimento poderá registar, com uma cifra estimada em um milhão, 329 mil e 818, ao passo que a masculina em um milhão e 227 mil e 190.

Segundo o documento, a projecção de crescimento será fruto de uma taxa de natalidade estimada em  41,1 por cento, isto é, 41 filhos em cada cem habitantes, comparando com a taxa de mortalidade, indexada em oito mortes por cada 100 cidadãos.

O município do Huambo continuará a ser o mais populoso, com uma densidade populacional estimada em 903 mil de habitantes, seguido do Bailundo, com mais de 372 mil, enquanto o Chinjenje, mantém a posição de menos habitado, com uma cifra de 38 mil moradores.

Quanto à esperança de vida, a previsão para 2021, segundo os dados, é de 61 anos, sendo 60 para homens e 63 para mulheres.

Composta por 11 municípios (Bailundo, Caála, Cachiungo, Chicala-Cholohanga, Chinjenje, Ecunha, Huambo, Londuimbali, Longonjo, Mungo e Ucuma), a província do Huambo, localizada no planalto central de Angola, a 600 quilómetros de distância a Sul da capital do país (Luanda), possui uma extensão territorial de 35 mil e 771 quilómetros quadrados.