Juventude expectante com construção de nova centralidade no Bengo

Caxito – Os jovens da província do Bengo acreditam que a construção da nova Centralidade, em Caxito, com mil moradias, aumentará a oferta e a resolver a problemática da casa própria.

Em reacção ao Despacho Presidencial nº 54/21 de 29 de Abril, no qual o Presidente da República, João Lourenço, autoriza a construção de uma Centralidade com mil casas, alguns jovens da região destacaram a importância do projecto para a melhoria das condições de vida da população e para a nova imagem que poderá dar a província.

De acordo com Despacho Presidencial, o Estado deverá  desembolsar 182,9 milhões de dólares, acrescidos de 4,5 milhões de USD para o contrato de fiscalização.

Mateus Muginga considerou a iniciativa  louvável e espera que muitos jovens sem casa própria possam obtê-la a partir deste novo projecto, uma vez que não conseguiram no Capari.

Já Joaquina Pedro gostaria que o acesso a nova centralidade fosse mas facilitado, dirigido, sobretudo, aos jovens e não apenas aos funcionários públicos.

Por sua vez, a governadora do Bengo, Mara Quiosa, considerou  a construção da nova centralidade um ganho imensurável, pois a questão da habitação continua a ser uma problemática, principalmente a nível da juventude.

Frisou que deverá comportar os serviços essenciais para as populações, como centros de saúde, escolas e comércio, este último não acautelado na centralidade do Capari.

“Já estivemos a fazer um trabalho preliminar com o Ministério da Construção, com a indicação do local para a construção dessas moradias. A princípio estarão mesmo dentro da cidade de Caxito”, sublinhou.

A província do Bengo conta, actualmente, com a Centralidade do Capari desenvolvida numa área  de 90,5 hectares. O projecto foi  concebido para 4.000 fogos, para albergar uma população estimada em 24.000 habitantes.

 

Em reacção ao Despacho Presidencial nº 54/21 de 29 de Abril, no qual o Presidente da República, João Lourenço, autoriza a construção de uma Centralidade com mil casas, alguns jovens da região destacaram a importância do projecto para a melhoria das condições de vida da população e para a nova imagem que poderá dar a província.

De acordo com Despacho Presidencial, o Estado deverá  desembolsar 182,9 milhões de dólares, acrescidos de 4,5 milhões de USD para o contrato de fiscalização.

Mateus Muginga considerou a iniciativa  louvável e espera que muitos jovens sem casa própria possam obtê-la a partir deste novo projecto, uma vez que não conseguiram no Capari.

Já Joaquina Pedro gostaria que o acesso a nova centralidade fosse mas facilitado, dirigido, sobretudo, aos jovens e não apenas aos funcionários públicos.

Por sua vez, a governadora do Bengo, Mara Quiosa, considerou  a construção da nova centralidade um ganho imensurável, pois a questão da habitação continua a ser uma problemática, principalmente a nível da juventude.

Frisou que deverá comportar os serviços essenciais para as populações, como centros de saúde, escolas e comércio, este último não acautelado na centralidade do Capari.

“Já estivemos a fazer um trabalho preliminar com o Ministério da Construção, com a indicação do local para a construção dessas moradias. A princípio estarão mesmo dentro da cidade de Caxito”, sublinhou.

A província do Bengo conta, actualmente, com a Centralidade do Capari desenvolvida numa área  de 90,5 hectares. O projecto foi  concebido para 4.000 fogos, para albergar uma população estimada em 24.000 habitantes.