Mais de 500 toneladas de bens a caminho do sul de Angola

  • Transporte dos bens doados ao projecto "Abraço Solidário"
Luanda - Mais de 500 toneladas de bens diversos partiram esta quarta-feira, de Luanda para as províncias do Cuando Cubango, Cunene, Huíla e Namibe, para acudir a população afectada pela seca.

A doação está inserida na campanha de recolha de donativos, promovida desde Abril último, pelos órgãos de comunicação social públicos, privados e empresas do sector das telecomunicações, denominada “Abraço solidário, somos Angola".

Dos bens arrecadados, 40 por cento vão para o Cuando Cubango, 30 para o Cunene, enquanto o Namibe e a Huíla recebem 15 por cento cada.

Nos últimos três meses, foram arrecadados cerca de mil e 70 toneladas de produtos diversos, dos quais 70 por cento são bens alimentares.

Em conferência de imprensa esta quarta-feira, o coordenador do projecto, Ikuma Bumba, explicou que os produtos recolhidos são, maioritariamente, bens alimentares, o que considera satisfatório, em função das necessidades da população carente.

A campanha foi desenvolvida durante três meses, em todo o território nacional, visando promover a cidadania por via da participação social, e contou com o apoio do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS).

A doação está inserida na campanha de recolha de donativos, promovida desde Abril último, pelos órgãos de comunicação social públicos, privados e empresas do sector das telecomunicações, denominada “Abraço solidário, somos Angola".

Dos bens arrecadados, 40 por cento vão para o Cuando Cubango, 30 para o Cunene, enquanto o Namibe e a Huíla recebem 15 por cento cada.

Nos últimos três meses, foram arrecadados cerca de mil e 70 toneladas de produtos diversos, dos quais 70 por cento são bens alimentares.

Em conferência de imprensa esta quarta-feira, o coordenador do projecto, Ikuma Bumba, explicou que os produtos recolhidos são, maioritariamente, bens alimentares, o que considera satisfatório, em função das necessidades da população carente.

A campanha foi desenvolvida durante três meses, em todo o território nacional, visando promover a cidadania por via da participação social, e contou com o apoio do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS).