Mais de oito mil famílias da Taka recebem ajuda alimentar

  • População na Huíla recebe alimentos da Cooperativa de gado de sul de Angola
Gambos – Oito mil e trezentas famílias afectadas pela seca na localidade da Taka, município dos Gambos, na província da Huíla, começaram, nesta segunda-feira, a receber ajuda alimentar do governo e do grupo técnico empresarial.

O acto de entrega foi testemunhado pela vice-governadora da Huíla para o sector político, económico e social, Maria João Chipalavela, que fez chegar 1.9 toneladas de massango e 10 toneladas de milho.

À população, foram ainda entregues 100 caixas de óleo, igual quantidade de sacos de fuba, arroz, sal e massa, doados pelo Grupo Técnico Empresarial, que tem à frente a Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA).

Na ocasião, o secretário-geral da "CCGSA", Carlos Damião, disse que os empresários que trabalham nos Gambos têm a consciência de que essa ajuda é “paliativa” e é preciso que outros apoios sejam mobilizados.

Já o administrador municipal, Elias Sova, defendeu a necessidade de se mobilizar também apoio para impulsionar a agricultura e o comércio rural, já que as famílias apresentaram preocupações relativas à dificuldades na comercialização do gado.

Por sua vez, a vice-governadora da Huíla, Maria João Chipalavela, frisou que o Governo se comprometeu em acompanhar com regularidade as famílias para acudir a carência.

Assegurou que vai prosseguir com a distribuição das doações e fazer intervenções mais resilientes no domínio da seca, como o aumento de furos de água e a promoção do comércio rural através das escolas de campo.

Na Huíla, para além dos Gambos, a longa estiagem afectou os municípios do Lubango, Cacula, Quilengues e Chibia.

O acto de entrega foi testemunhado pela vice-governadora da Huíla para o sector político, económico e social, Maria João Chipalavela, que fez chegar 1.9 toneladas de massango e 10 toneladas de milho.

À população, foram ainda entregues 100 caixas de óleo, igual quantidade de sacos de fuba, arroz, sal e massa, doados pelo Grupo Técnico Empresarial, que tem à frente a Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA).

Na ocasião, o secretário-geral da "CCGSA", Carlos Damião, disse que os empresários que trabalham nos Gambos têm a consciência de que essa ajuda é “paliativa” e é preciso que outros apoios sejam mobilizados.

Já o administrador municipal, Elias Sova, defendeu a necessidade de se mobilizar também apoio para impulsionar a agricultura e o comércio rural, já que as famílias apresentaram preocupações relativas à dificuldades na comercialização do gado.

Por sua vez, a vice-governadora da Huíla, Maria João Chipalavela, frisou que o Governo se comprometeu em acompanhar com regularidade as famílias para acudir a carência.

Assegurou que vai prosseguir com a distribuição das doações e fazer intervenções mais resilientes no domínio da seca, como o aumento de furos de água e a promoção do comércio rural através das escolas de campo.

Na Huíla, para além dos Gambos, a longa estiagem afectou os municípios do Lubango, Cacula, Quilengues e Chibia.