Governo levará a tribunal empreiteiros incumpridores

Malanje- O vice-governador de Malanje para o sector político, económico e social, Domingos Eduardo, aventou a possibilidade de se levar a tribunal as empreiteiras com obras do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) paralisadas.

O responsável fez esse pronunciamento por ocasião das visitas que efectuou nos últimos dias as obras locais do PIIM nos municípios de Massango, Calandula e Cacuso, para avaliar o grau de execução e andamento das mesmas.

Sem avançar pormenores sobre as empresas, Domingos Eduardo disse haver obras atrasadas, paralisadas e por iniciar, pelo que manifestou a insatisfação do governo face a situação.

Apontou como exemplo os atrasos na  terraplanagem do troço sede do município de Massango as comunas de Kihuhu e Quinguengue, numa extensão de 147 quilómetros, e de construção de três escolas de sete e doze salas de aulas em Cacuso, cuja execução decorre a ritmo lento.

Destacou ainda a terraplanagem de 75 quilómetros de estrada que liga a comuna do Cuale ao sector do Luquinge, no município de Calandula, que se encontra paralisada há mais de 12 dias, por, segundo o empreiteiro, Benito Massengo, falta de verbas, uma vez que o governo disponibilizou apenas 15 por cento do orçamento global (390 milhões de kwanzas).

O vice-governador disse que o governo da província vai trabalhar em colaboração com o Ministério das Finanças no sentido de efectuar os pagamentos integrais das obras com brevidade, afim de se evitar constrangimentos.

Entretanto, as obras de terraplanagem das estradas que ligam a sede de Massango as comunas de Kihuhu e Quinguengue numa extensão de 147 quilómetros, registam, também, atrasos no grau de execução física.

Iniciadas em Setembro último, as empreitadas estão a cargo da empreiteira comercial Ndala Nganga, sob fiscalização da empresa ITEM, e têm términos previstos para Fevereiro de 2021, mas até ao momento registam uma execução física de apenas 18 por cento, que compreende apenas a desmatação de 50 quilómetros.

Os dois troços estão orçados em 502 milhões de kwanzas e contempla também o estancamento de 10 ravinas em progressão ao longo da via de acesso às duas comunas.

O Plano Integrado de Intervenção nos Municípios para a província de Malanje está orçado em 26 mil milhões de kwanzas e contempla 104 projectos para os sectores da educação, saúde, estradas, energia e águas e saneamento básico.

 

O responsável fez esse pronunciamento por ocasião das visitas que efectuou nos últimos dias as obras locais do PIIM nos municípios de Massango, Calandula e Cacuso, para avaliar o grau de execução e andamento das mesmas.

Sem avançar pormenores sobre as empresas, Domingos Eduardo disse haver obras atrasadas, paralisadas e por iniciar, pelo que manifestou a insatisfação do governo face a situação.

Apontou como exemplo os atrasos na  terraplanagem do troço sede do município de Massango as comunas de Kihuhu e Quinguengue, numa extensão de 147 quilómetros, e de construção de três escolas de sete e doze salas de aulas em Cacuso, cuja execução decorre a ritmo lento.

Destacou ainda a terraplanagem de 75 quilómetros de estrada que liga a comuna do Cuale ao sector do Luquinge, no município de Calandula, que se encontra paralisada há mais de 12 dias, por, segundo o empreiteiro, Benito Massengo, falta de verbas, uma vez que o governo disponibilizou apenas 15 por cento do orçamento global (390 milhões de kwanzas).

O vice-governador disse que o governo da província vai trabalhar em colaboração com o Ministério das Finanças no sentido de efectuar os pagamentos integrais das obras com brevidade, afim de se evitar constrangimentos.

Entretanto, as obras de terraplanagem das estradas que ligam a sede de Massango as comunas de Kihuhu e Quinguengue numa extensão de 147 quilómetros, registam, também, atrasos no grau de execução física.

Iniciadas em Setembro último, as empreitadas estão a cargo da empreiteira comercial Ndala Nganga, sob fiscalização da empresa ITEM, e têm términos previstos para Fevereiro de 2021, mas até ao momento registam uma execução física de apenas 18 por cento, que compreende apenas a desmatação de 50 quilómetros.

Os dois troços estão orçados em 502 milhões de kwanzas e contempla também o estancamento de 10 ravinas em progressão ao longo da via de acesso às duas comunas.

O Plano Integrado de Intervenção nos Municípios para a província de Malanje está orçado em 26 mil milhões de kwanzas e contempla 104 projectos para os sectores da educação, saúde, estradas, energia e águas e saneamento básico.