Munícipes produzem em média 200 toneladas de lixo dia

Malanje - Pelo menos duzentas toneladas de lixo são produzidas diariamente por munícipes e instituições na cidade de Malanje e arredores, criando vários focos e colocando em risco a saúde pública.

Segundo constatou a Angop, os bairros Canâmbua, Maxinde e Vila Matilde, bem como a zona urbana, são os locais de maior concentração de resíduos sólidos, apesar da existência de contentores.

Entretanto, o director do ambiente e saneamento básico da Administração Municipal de Malanje, Gourgel Ndala, disse que o pelouro não dispõe de capacidade de recolha e gestão dos amontoados de lixo que a população produz, por insuficiência de equipamentos.

Precisou que a estratégia para a redução dos mesmos tem sido a criação de depósitos de lixo e posterior recolha e deposição no aterro sanitário provisório da localidade de Camabole, a 30 quilómetros a leste da cidade capital, mas o grande problema prende-se com os custos de combustíveis das viaturas e outros.

Realçou que essa capacidade actual de recolha é de 20 toneladas de lixo por carregamento, o que pressupõe um esforço considerável para corresponder a demanda de manutenção da cidade limpa, cuja problemática agrava-se sobretudo na época chuvosa.

A cidade de Malanje conta actualmente com 72 contentores de lixo espalhados pelo casco urbano e bairros periféricos, mas não dispõem de nenhuma empresa de recolha de resíduos sólidos.

 

 

 

 

Segundo constatou a Angop, os bairros Canâmbua, Maxinde e Vila Matilde, bem como a zona urbana, são os locais de maior concentração de resíduos sólidos, apesar da existência de contentores.

Entretanto, o director do ambiente e saneamento básico da Administração Municipal de Malanje, Gourgel Ndala, disse que o pelouro não dispõe de capacidade de recolha e gestão dos amontoados de lixo que a população produz, por insuficiência de equipamentos.

Precisou que a estratégia para a redução dos mesmos tem sido a criação de depósitos de lixo e posterior recolha e deposição no aterro sanitário provisório da localidade de Camabole, a 30 quilómetros a leste da cidade capital, mas o grande problema prende-se com os custos de combustíveis das viaturas e outros.

Realçou que essa capacidade actual de recolha é de 20 toneladas de lixo por carregamento, o que pressupõe um esforço considerável para corresponder a demanda de manutenção da cidade limpa, cuja problemática agrava-se sobretudo na época chuvosa.

A cidade de Malanje conta actualmente com 72 contentores de lixo espalhados pelo casco urbano e bairros periféricos, mas não dispõem de nenhuma empresa de recolha de resíduos sólidos.