MASFAMU aposta na criação de centros de acolhimento no país

  • Secretária de Estado da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Elsa Barber (Arquivo)
Luanda – O Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU) antevê a criação de mais centros de acolhimento no país, com a finalidade de se reforçar os mecanismos de acompanhamento das vítimas de violência de género.

Segundo a secretária de estado Elsa Barber, que falava durante a abertura das comemorativas do Dia Internacional da Mulher, existem muitas barreiras na inserção das meninas nos processos de educação, saúde sexual e reprodutiva, factor que dificultado a afirmação destas nas suas comunidades.

Para o efeito, o Governo tem desenvolvido medidas direccionadas à saúde sexual e reprodutiva das mulheres e meninas, tais como a elaboração de planos de acção integral de saúde dos adolescentes nas políticas da juventude, da igualdade e equidade do género.

Elsa Barber frisou que à pandemia da Covid-19 trouxe consigo problemas sociais como a desestruturação familiar, fuga à paternidade e maternidade, aumento dos casos de violência doméstica, entras outras situações.

A responsável frisou que é, igualmente, necessário, mais da intervenção e colaboração da sociedade para sensibilizar os membros das comunidades e famílias a enveredar em comportamentos positivos e exemplares.

Por sua vez, a presidente do Conselho de Administração do Centro de Acolhimento Horizonte Azul, Esperança Pires, informou que vivem no lar 80 meninas.

A jornada Março Mulher visa enaltecer a liderança feminina na luta contra à Covid-19, através do empoderamento económico, como oportunidade para gerar renda e melhoria das condições de vida de suas famílias.

Segundo a secretária de estado Elsa Barber, que falava durante a abertura das comemorativas do Dia Internacional da Mulher, existem muitas barreiras na inserção das meninas nos processos de educação, saúde sexual e reprodutiva, factor que dificultado a afirmação destas nas suas comunidades.

Para o efeito, o Governo tem desenvolvido medidas direccionadas à saúde sexual e reprodutiva das mulheres e meninas, tais como a elaboração de planos de acção integral de saúde dos adolescentes nas políticas da juventude, da igualdade e equidade do género.

Elsa Barber frisou que à pandemia da Covid-19 trouxe consigo problemas sociais como a desestruturação familiar, fuga à paternidade e maternidade, aumento dos casos de violência doméstica, entras outras situações.

A responsável frisou que é, igualmente, necessário, mais da intervenção e colaboração da sociedade para sensibilizar os membros das comunidades e famílias a enveredar em comportamentos positivos e exemplares.

Por sua vez, a presidente do Conselho de Administração do Centro de Acolhimento Horizonte Azul, Esperança Pires, informou que vivem no lar 80 meninas.

A jornada Março Mulher visa enaltecer a liderança feminina na luta contra à Covid-19, através do empoderamento económico, como oportunidade para gerar renda e melhoria das condições de vida de suas famílias.