Menongue completa 60 anos com foco na agricultura

  • Memorial da Batalha do Cuito Cuanavale, na província do Cuando Cubango
  • Pormenor duma fachada da cidade de Menongue, Cuando Cubango
Menongue - A cidade capital do Cuando Cubango, Menongue, completou hoje, quinta-feira, 60 anos desde que ascendeu, a 21 de Outubro de 1961, à categoria de vila, cujo percurso está virado para o fomento da actividade agrícola sustentável, a par dos sectores da educação, saúde, energia e águas.

Antiga vila Serpa Pinto, a cidade conta actualmente com mais de 400 mil habitantes, sendo, por isso, o município com mais habitantes a nível dos nove do Cuando Cubango.

O administrador de Menongue, Augusto Manuel Ndala, precisou que o sector da agricultura constitui, na actualidade, a prioridade, porquanto a população da circunscrição que dirige está engajada no fomento de diversas culturas, para o combate à fome e à pobreza.

Para o efeito, no âmbito das celebrações dos 60 anos, sob lema: “Menongue 60 anos promovendo a unidade, coesão e o desenvolvimento”, promove uma feira municipal da agricultura, com 50 expositores, dos quais 15 cooperativas, três associações de camponeses e uma fazenda.

Conforme sublinhou, apesar da estiagem que o município registou na passada época campanha agrícola 2020/2021, pode-se considerar positiva, tendo em conta o que foi produzido e serve de exposição, como hortícolas, cereais, tubérculos, a par da pecuária, criação de aves e peixe.

Referiu que, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Fome, a administração de Menongue tem desenvolvido vários projectos e actividades no processo da diversificação da economia, com incentivo às comunidades rurais na produção agrícola, para mitigar a pobreza que atravessam.

Menongue conta com seis pólos agrícolas, com cerca de 30 a 100 hectares de terras aráveis para o fomento da actividade agrícola, onde a população camponesa é incentiva, em cada campanha agrícola, a multiplicar a produção de várias culturas para o consumo e o excedente para a comercialização.

Estes pólos, de acordo com administrador, foram criados no sentido de mitigar a carência de produtos agrícolas que se tem registado nos mercados locais e, desta feita, acudir a falta de alimentos.

Para o responsável, com o aumento da produtividade, a nível local, pretende-se acabar com a fome e a pobreza, aproveitando as terras aráveis e pessoas com vontade de trabalhar, um desafio que conta com o apoio do governo do Cuando Cubango.

Por esta razão, recentemente a administração iniciou com o processo de distribuição de sementes diversas, fertilizantes, enxadas, catanas e outros inputs agrícolas às famílias camponesas das comunas do Missombo, Jamba Cueio e Caiundo, para incentivar o fomento da produção diversificada.

A par do sector da agricultura, onde quase cerca de 50 porcento dos mais de 400 habitantes está engajada nessa actividade, o Menongue regista, igualmente, avanços assinaláveis com a existência de mais de 90 escolas do ensino primário ao II ciclo, com previsão, a partir deste ano, aumentar mais 10, no âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Com a construção das empreitadas, pretende-se que no próximo ano lectivo a cifra de mais de 100 mil alunos matriculados este ano venha aumentar para mais oito mil, uma vez que as escolas terão sete a 12 salas de aula.

O sector é assegurado por mais de três mil professores.

Já no sector da saúde, Menongue conta com o Hospital-Geral do Cuando Cubango, devidamente equipado, dispõe de 38 unidades sanitárias, entre postos de saúde, centros médicos, centro materno infantil, assegurados por 559 técnicos de saúde e 86 médicos, entre nacionais e expatriados, com destaque de nacionalidade cubana.

No quadro do PIIM, estão previstos, numa primeira fase, a reabilitação e apetrechamento dos postos de saúde de Dumbo, Abel, Soma e a construção de novas unidades sanitárias ao longo das três comunas do Menongue, para melhorar a assistência médica e medicamentosa.

Quanto ao abastecimento de energia e água, actualmente, a situação de energia é assegurada por uma central com capacidade de 54 megawotts, que está a atender mais de 13 mil clientes.

Já a central de captação, tratamento e distribuição de água potável tem capacidade para bombear 11 mil metros cúbicos por dia, para beneficiar mais de 150 mil habitantes das zonas urbanas e periurbanas de Menongue e da sede comunal do Missombo.

No âmbito do PIIM, Menongue conta, numa primeira fase, com 24 empreitadas, algumas já consignadas, faltando apenas a execução física e financeira.

Entre os projectos destaque para o Estádio Municipal de Futebol, que terá capacidade de mais de três mil adeptos, uma pista de atletismo, entre outros.

Consta ainda a iluminação pública, electrificação e ligações domiciliares de 12 bairros periféricos, no âmbito da expansão da rede de electricidade para Menongue, postos policiais, que visam assegurar o bem-estar social dos seus habitantes.

Menongue tem uma área de 23.565 metros quadrados, tendo uma população heterogénea. A par dos habitantes locais Vanganguela, conta igualmente com os Umbundu, Tchokwe, Kimbundu e outros subgrupos espalhados em todo o seu território.

Antiga vila Serpa Pinto, a cidade conta actualmente com mais de 400 mil habitantes, sendo, por isso, o município com mais habitantes a nível dos nove do Cuando Cubango.

O administrador de Menongue, Augusto Manuel Ndala, precisou que o sector da agricultura constitui, na actualidade, a prioridade, porquanto a população da circunscrição que dirige está engajada no fomento de diversas culturas, para o combate à fome e à pobreza.

Para o efeito, no âmbito das celebrações dos 60 anos, sob lema: “Menongue 60 anos promovendo a unidade, coesão e o desenvolvimento”, promove uma feira municipal da agricultura, com 50 expositores, dos quais 15 cooperativas, três associações de camponeses e uma fazenda.

Conforme sublinhou, apesar da estiagem que o município registou na passada época campanha agrícola 2020/2021, pode-se considerar positiva, tendo em conta o que foi produzido e serve de exposição, como hortícolas, cereais, tubérculos, a par da pecuária, criação de aves e peixe.

Referiu que, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Fome, a administração de Menongue tem desenvolvido vários projectos e actividades no processo da diversificação da economia, com incentivo às comunidades rurais na produção agrícola, para mitigar a pobreza que atravessam.

Menongue conta com seis pólos agrícolas, com cerca de 30 a 100 hectares de terras aráveis para o fomento da actividade agrícola, onde a população camponesa é incentiva, em cada campanha agrícola, a multiplicar a produção de várias culturas para o consumo e o excedente para a comercialização.

Estes pólos, de acordo com administrador, foram criados no sentido de mitigar a carência de produtos agrícolas que se tem registado nos mercados locais e, desta feita, acudir a falta de alimentos.

Para o responsável, com o aumento da produtividade, a nível local, pretende-se acabar com a fome e a pobreza, aproveitando as terras aráveis e pessoas com vontade de trabalhar, um desafio que conta com o apoio do governo do Cuando Cubango.

Por esta razão, recentemente a administração iniciou com o processo de distribuição de sementes diversas, fertilizantes, enxadas, catanas e outros inputs agrícolas às famílias camponesas das comunas do Missombo, Jamba Cueio e Caiundo, para incentivar o fomento da produção diversificada.

A par do sector da agricultura, onde quase cerca de 50 porcento dos mais de 400 habitantes está engajada nessa actividade, o Menongue regista, igualmente, avanços assinaláveis com a existência de mais de 90 escolas do ensino primário ao II ciclo, com previsão, a partir deste ano, aumentar mais 10, no âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Com a construção das empreitadas, pretende-se que no próximo ano lectivo a cifra de mais de 100 mil alunos matriculados este ano venha aumentar para mais oito mil, uma vez que as escolas terão sete a 12 salas de aula.

O sector é assegurado por mais de três mil professores.

Já no sector da saúde, Menongue conta com o Hospital-Geral do Cuando Cubango, devidamente equipado, dispõe de 38 unidades sanitárias, entre postos de saúde, centros médicos, centro materno infantil, assegurados por 559 técnicos de saúde e 86 médicos, entre nacionais e expatriados, com destaque de nacionalidade cubana.

No quadro do PIIM, estão previstos, numa primeira fase, a reabilitação e apetrechamento dos postos de saúde de Dumbo, Abel, Soma e a construção de novas unidades sanitárias ao longo das três comunas do Menongue, para melhorar a assistência médica e medicamentosa.

Quanto ao abastecimento de energia e água, actualmente, a situação de energia é assegurada por uma central com capacidade de 54 megawotts, que está a atender mais de 13 mil clientes.

Já a central de captação, tratamento e distribuição de água potável tem capacidade para bombear 11 mil metros cúbicos por dia, para beneficiar mais de 150 mil habitantes das zonas urbanas e periurbanas de Menongue e da sede comunal do Missombo.

No âmbito do PIIM, Menongue conta, numa primeira fase, com 24 empreitadas, algumas já consignadas, faltando apenas a execução física e financeira.

Entre os projectos destaque para o Estádio Municipal de Futebol, que terá capacidade de mais de três mil adeptos, uma pista de atletismo, entre outros.

Consta ainda a iluminação pública, electrificação e ligações domiciliares de 12 bairros periféricos, no âmbito da expansão da rede de electricidade para Menongue, postos policiais, que visam assegurar o bem-estar social dos seus habitantes.

Menongue tem uma área de 23.565 metros quadrados, tendo uma população heterogénea. A par dos habitantes locais Vanganguela, conta igualmente com os Umbundu, Tchokwe, Kimbundu e outros subgrupos espalhados em todo o seu território.