MININT aconselha mulher a apostar na formação académica

  • Delegado do Interior do Cunene, comissário António Ribeiro.
Ondjiva - O delegado do Interior no Cunene, comissário António Ribeiro, orientou, nesta quarta-feira, em Ondjiva, as mulheres polícias a apostar cada vez mais na formação académica e profissional, visando a sua participação activa na vida do país.

Falando no acto de encerramento da jornada Março-Mulher,  António Ribeiro disse que  a oportunidade de emprego, a garantia da protecção social nas instituições governativas, o reforço de mecanismos legais e jurídicos de protecção contra a violência doméstica, estão a favor das mulheres.

“Precisamos perceber que o desenvolvimento humano só pode ser compreendido com referência ao respeito dos direitos humanos das mulheres e homens, igualdade perante a lei, emprego, saúde, educação e respeito pela integridade física”, afirmou.

Lembrou que a mulher polícia tem maior responsabilidade por ser mãe, companheira e dona de casa, mas  compete-lhe também prevenir a delinquência, combater a criminalidade, investigar crimes e outras actividades inerentes ao bem-estar da sociedade e do lar.

Aconselhou as a assumir o seu verdadeiro de lideres dos lares, com base num comportamento digno perante à família, de modo que sirvam de exemplo na sociedade.

Durante a jornada Março Mulher no Cunene, as mulheres filiadas na Associação de Apoio à Mulher Polícia no Cunene realizaram campanhas de sensibilização sobre sinistralidade rodoviária, limpezas e doação de material de higiene na maternidade de Ondjiva.

Falando no acto de encerramento da jornada Março-Mulher,  António Ribeiro disse que  a oportunidade de emprego, a garantia da protecção social nas instituições governativas, o reforço de mecanismos legais e jurídicos de protecção contra a violência doméstica, estão a favor das mulheres.

“Precisamos perceber que o desenvolvimento humano só pode ser compreendido com referência ao respeito dos direitos humanos das mulheres e homens, igualdade perante a lei, emprego, saúde, educação e respeito pela integridade física”, afirmou.

Lembrou que a mulher polícia tem maior responsabilidade por ser mãe, companheira e dona de casa, mas  compete-lhe também prevenir a delinquência, combater a criminalidade, investigar crimes e outras actividades inerentes ao bem-estar da sociedade e do lar.

Aconselhou as a assumir o seu verdadeiro de lideres dos lares, com base num comportamento digno perante à família, de modo que sirvam de exemplo na sociedade.

Durante a jornada Março Mulher no Cunene, as mulheres filiadas na Associação de Apoio à Mulher Polícia no Cunene realizaram campanhas de sensibilização sobre sinistralidade rodoviária, limpezas e doação de material de higiene na maternidade de Ondjiva.