Ministra aponta empreendedorismo para combater desemprego

  • Ana Paula do Sacramento Neto, ministra da Juventude e Desportos (arquivo)
Luanda – A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento, apontou, nesta sexta-feira, o empreendedorismo como saída para mitigar o desemprego e assegurar a participação da juventude na diversificação da economia nacional.

A ministra, que falava no workshop motivacional sobre empreendedorismo juvenil, salientou ser uma forma de criar o auto emprego e contribuir para que outros jovens beneficiem de oportunidades de emprego para o seu sustento e de suas famílias.

“Apesar das limitações impostas pela crise sanitária provocadas pela Covid-19 e a própria conjuntura económica internacional, o Governo angolano continua empenhado em dar respostas objectivas às expectativas e anseios da juventude, através da implementação das acções previstas no Programa de Desenvolvimento Integral da Juventude, enquadrado no PDN 2018 – 2022”, assevera.

Ana Paula do Sacramento adianta que o Executivo encara com optimismo os desafios de implementação da Política Nacional da Juventude, para garantir de forma sustentável o acesso aos serviços básicos, a formação profissional, emprego e empreendedorismo e desta forma contribuir para a redução da pobreza e integração socio-económica dos jovens.

O Executivo, adiantou, pretende dotar os jovens de capacidades e ferramentas que permitam participar activamente nos projectos estruturantes desenvolvidos no âmbito do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi).

Conforme Ana Paula do Sacramento, a juventude jogará um papel fundamental no processo de retoma da estabilidade económica do país, uma vez que são os empreendedores, as pequenas e médias empresas que dão sustentabilidade à economia.

“São as nossas ações de hoje que determinam o tipo de futuro que teremos amanhã, e por isso apelamos que tirem o máximo proveito desta oportunidade e colaborem com o Executivo a garantir o emprego e o bem-estar dos jovens e suas respectivas famílias, pois reafirmamos mais uma vez,

Para a governante, as questões ligadas ao desenvolvimento integral da juventude não são tarefas exclusivas do Executivo, mas é um compromisso de todos, desde as famílias à sociedade civil, os líderes juvenis organizações nacionais e internacionais.

Relativamente ao ciclo de formação, adiantou que permitiu formar até ao momento 514 jovens que, com o financiamento posto à disposição, quer no âmbito do Programa de Alívio Económico do Executivo, quer pelo Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA), ou pelas agências de crédito parceiras, estarão em condições de implementar os conhecimentos adquiridos ao longo das sessões de formação e contribuir no processo de criação de novos empregos.

“Este primeiro ciclo serviu de barómetro para as fases que se seguem, e que se estenderão um pouco por todo país a partir de Janeiro do próximo ano”, reforçou.

O Projecto de Formação e Orientação Económica à Juventude é destinado aos jovens com vocação para o empreendedorismo, que no pós-formação tornam-se elegíveis para beneficiar de linhas de financiamento de até 7 milhões de kwanzas e prevê alcançar um total de 20 mil jovens em todo país, no período compreendido entre 2020 e 2022.

A ministra, que falava no workshop motivacional sobre empreendedorismo juvenil, salientou ser uma forma de criar o auto emprego e contribuir para que outros jovens beneficiem de oportunidades de emprego para o seu sustento e de suas famílias.

“Apesar das limitações impostas pela crise sanitária provocadas pela Covid-19 e a própria conjuntura económica internacional, o Governo angolano continua empenhado em dar respostas objectivas às expectativas e anseios da juventude, através da implementação das acções previstas no Programa de Desenvolvimento Integral da Juventude, enquadrado no PDN 2018 – 2022”, assevera.

Ana Paula do Sacramento adianta que o Executivo encara com optimismo os desafios de implementação da Política Nacional da Juventude, para garantir de forma sustentável o acesso aos serviços básicos, a formação profissional, emprego e empreendedorismo e desta forma contribuir para a redução da pobreza e integração socio-económica dos jovens.

O Executivo, adiantou, pretende dotar os jovens de capacidades e ferramentas que permitam participar activamente nos projectos estruturantes desenvolvidos no âmbito do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi).

Conforme Ana Paula do Sacramento, a juventude jogará um papel fundamental no processo de retoma da estabilidade económica do país, uma vez que são os empreendedores, as pequenas e médias empresas que dão sustentabilidade à economia.

“São as nossas ações de hoje que determinam o tipo de futuro que teremos amanhã, e por isso apelamos que tirem o máximo proveito desta oportunidade e colaborem com o Executivo a garantir o emprego e o bem-estar dos jovens e suas respectivas famílias, pois reafirmamos mais uma vez,

Para a governante, as questões ligadas ao desenvolvimento integral da juventude não são tarefas exclusivas do Executivo, mas é um compromisso de todos, desde as famílias à sociedade civil, os líderes juvenis organizações nacionais e internacionais.

Relativamente ao ciclo de formação, adiantou que permitiu formar até ao momento 514 jovens que, com o financiamento posto à disposição, quer no âmbito do Programa de Alívio Económico do Executivo, quer pelo Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA), ou pelas agências de crédito parceiras, estarão em condições de implementar os conhecimentos adquiridos ao longo das sessões de formação e contribuir no processo de criação de novos empregos.

“Este primeiro ciclo serviu de barómetro para as fases que se seguem, e que se estenderão um pouco por todo país a partir de Janeiro do próximo ano”, reforçou.

O Projecto de Formação e Orientação Económica à Juventude é destinado aos jovens com vocação para o empreendedorismo, que no pós-formação tornam-se elegíveis para beneficiar de linhas de financiamento de até 7 milhões de kwanzas e prevê alcançar um total de 20 mil jovens em todo país, no período compreendido entre 2020 e 2022.