Ministra pondera criação de plataforma para divulgação cultural 

  • Ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Inglês
Luanda - A ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Faustina Alves, disse, na sexta-feira, em Luanda, ponderar criar-se uma plataforma para divulgação e partilha das boas práticas da cultura nacional.

A responsável falava a imprensa na abertura oficial da Jornada Nacional da Família 2021, com o tema "O valor simbólico do alambamento para as famílias".

A plataforma servirá para exibição de boas práticas que facilitem a transmissão dos valores culturais as próximas gerações.

Segundo Faustina Alves, essa missão será desencadeada por todos os cidadãos nacionais a partir das suas localidades, cabendo ao Governo a responsabilidade da divulgação de políticas e Leis aprovadas,  a igreja para ajudar a resgatar os valores morais e cívicos nas comunidades.

Sobre o tema, o deputado Américo Cuononoca disse que o alambamento nos dias de hoje está muito caro, estando desvirtuado dos princípios pela qual foi concebido, tendo como consequência impedindo que muitos casamentos aconteçam, causando desestruturação familiar, fuga a paternidade e em muitos casos trava a continuidade da espécie humana.

Considerou que muitas famílias fazem do alambamento um negócio, causando várias reacções negativas na sociedade e em futuras famílias, suscitando uma mudança de comportamento urgente por parte de quem tem essas práticas.

Para o sociólogo Pedro de Castro Maria, explicou que o alambamento é um hábito antigo que está a tomar outro contornos nas sociedades actuais, que não se pode resgatar com decretos ou leis, mas sim com a educação e sensibilização aos mais variados actores.

"Não se pode fazer uma lei a determinar ou decretar as questões culturais, elas se transformam através da educação de geração em geração, principalmente com a juventude, a educação deve ser um processo", acrescentou.        

Por seu turno, o presidente do Fórum Cristão Angolano, reverendo Luís Nguimbi, realçou haver necessidade do prévio conhecimento sobre todo processo que envolve a realização do matrimónio, de modo a se evitar os exageros que tem se verificado na actualidade.

Recomendou a criação de um encontro mais alargado sobre o assunto que envolva vários interlocutores e participantes, para se dar maiores subsídios e ajudar as futuras gerações a se reencontrarem.  

Aberta hoje a Jornada Nacional da Família encerra a 29 de Maio, e reserva a realização de conselhos provinciais da família, grande encontro da família angolana, gincana da família, entre outras.

O Dia Internacional da Família é celebrado anualmente a 15 de Maio, e a data foi escolhida pela Assembleia Geral da ONU.

O primeiro Dia Internacional da Família foi celebrado em 1994.

A responsável falava a imprensa na abertura oficial da Jornada Nacional da Família 2021, com o tema "O valor simbólico do alambamento para as famílias".

A plataforma servirá para exibição de boas práticas que facilitem a transmissão dos valores culturais as próximas gerações.

Segundo Faustina Alves, essa missão será desencadeada por todos os cidadãos nacionais a partir das suas localidades, cabendo ao Governo a responsabilidade da divulgação de políticas e Leis aprovadas,  a igreja para ajudar a resgatar os valores morais e cívicos nas comunidades.

Sobre o tema, o deputado Américo Cuononoca disse que o alambamento nos dias de hoje está muito caro, estando desvirtuado dos princípios pela qual foi concebido, tendo como consequência impedindo que muitos casamentos aconteçam, causando desestruturação familiar, fuga a paternidade e em muitos casos trava a continuidade da espécie humana.

Considerou que muitas famílias fazem do alambamento um negócio, causando várias reacções negativas na sociedade e em futuras famílias, suscitando uma mudança de comportamento urgente por parte de quem tem essas práticas.

Para o sociólogo Pedro de Castro Maria, explicou que o alambamento é um hábito antigo que está a tomar outro contornos nas sociedades actuais, que não se pode resgatar com decretos ou leis, mas sim com a educação e sensibilização aos mais variados actores.

"Não se pode fazer uma lei a determinar ou decretar as questões culturais, elas se transformam através da educação de geração em geração, principalmente com a juventude, a educação deve ser um processo", acrescentou.        

Por seu turno, o presidente do Fórum Cristão Angolano, reverendo Luís Nguimbi, realçou haver necessidade do prévio conhecimento sobre todo processo que envolve a realização do matrimónio, de modo a se evitar os exageros que tem se verificado na actualidade.

Recomendou a criação de um encontro mais alargado sobre o assunto que envolva vários interlocutores e participantes, para se dar maiores subsídios e ajudar as futuras gerações a se reencontrarem.  

Aberta hoje a Jornada Nacional da Família encerra a 29 de Maio, e reserva a realização de conselhos provinciais da família, grande encontro da família angolana, gincana da família, entre outras.

O Dia Internacional da Família é celebrado anualmente a 15 de Maio, e a data foi escolhida pela Assembleia Geral da ONU.

O primeiro Dia Internacional da Família foi celebrado em 1994.