Moradores de Camalaia pedem ao Governo mais infra-estruturas

Cuito - A população do bairro Camalaia, na comuna do Cunje, sete quilómetros a norte da cidade do Cuito, na província do Bié, pede do Governo mais investimentos em infra-estruturas socioeconómicas para a melhoria da qualidade de vida.

O pedido foi feito na cerimónia de lançamento do programa do Governo local denominado " diálogo comunitário", que visa recolher ideias construtivas que ajudem a ultrapassar as inquietações das populações.

Muitas das preocupações apresentadas prende-se com a falta de um posto policial, posto médico, melhoria no fornecimento de energia eléctrica e água potável, melhoria das ruas no interior do bairro, intervenção de duas ravinas que poderão dividir o bairro à sede comunal assim como a construção de mais escolas para albergar cerca de três mil crianças que estão fora do sistema de ensino.

O regedor comunal do Cunje, Fernando Sachilolu, mostrou-se preocupado com o aumento da delinquência juvenil, gravidez precoce e outros actos nocivos, resultante, sobretudo, da falta de oportunidades de emprego.

O cidadão Marcolino Emídio solicitou a construção de um campo polidesportivo, saneamento básico do meio, assim como a colocação de manivelas para a obtenção da água potável em prol o bem-estar da população.

Respondendo às inquietações da população, o governador do Bié, Pereira Alfredo, prometeu para breve a colocação de pequenos sistemas de água potável, tendo apelado às autoridades tradicionais e entidades eclesiásticas a sensibilizarem os jovens na preservação do património público.

Aconselhou a população, em especial a juventude, a se juntar em associações de camponeses e não só, com vista a facilitar a intervenção do Governo no combate à fome e à pobreza no seio das comunidades.

O governante pediu igualmente aos cidadãos a denunciarem os portadores de armas de fogo e actos criminosos, visando a salvaguarda da vida da população.

A circunscrição tem duas escolas, sendo uma do ensino primário, com 20 salas de aula, e outra do primeiro ciclo do ensino secundário, com 12 salas. No âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), decorre a construção de mais uma, com 20 salas de aula.

Subdividido em sete zonas, tem um sistema de água potável assegurado na base de painel solar e um posto de transformação de energia eléctrica.

O bairro Camalaia é habitado por perto de 14 mil 720 pessoas, maioritariamente camponeses e pequenos negociantes.

O pedido foi feito na cerimónia de lançamento do programa do Governo local denominado " diálogo comunitário", que visa recolher ideias construtivas que ajudem a ultrapassar as inquietações das populações.

Muitas das preocupações apresentadas prende-se com a falta de um posto policial, posto médico, melhoria no fornecimento de energia eléctrica e água potável, melhoria das ruas no interior do bairro, intervenção de duas ravinas que poderão dividir o bairro à sede comunal assim como a construção de mais escolas para albergar cerca de três mil crianças que estão fora do sistema de ensino.

O regedor comunal do Cunje, Fernando Sachilolu, mostrou-se preocupado com o aumento da delinquência juvenil, gravidez precoce e outros actos nocivos, resultante, sobretudo, da falta de oportunidades de emprego.

O cidadão Marcolino Emídio solicitou a construção de um campo polidesportivo, saneamento básico do meio, assim como a colocação de manivelas para a obtenção da água potável em prol o bem-estar da população.

Respondendo às inquietações da população, o governador do Bié, Pereira Alfredo, prometeu para breve a colocação de pequenos sistemas de água potável, tendo apelado às autoridades tradicionais e entidades eclesiásticas a sensibilizarem os jovens na preservação do património público.

Aconselhou a população, em especial a juventude, a se juntar em associações de camponeses e não só, com vista a facilitar a intervenção do Governo no combate à fome e à pobreza no seio das comunidades.

O governante pediu igualmente aos cidadãos a denunciarem os portadores de armas de fogo e actos criminosos, visando a salvaguarda da vida da população.

A circunscrição tem duas escolas, sendo uma do ensino primário, com 20 salas de aula, e outra do primeiro ciclo do ensino secundário, com 12 salas. No âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), decorre a construção de mais uma, com 20 salas de aula.

Subdividido em sete zonas, tem um sistema de água potável assegurado na base de painel solar e um posto de transformação de energia eléctrica.

O bairro Camalaia é habitado por perto de 14 mil 720 pessoas, maioritariamente camponeses e pequenos negociantes.