MPLA doa bens às vítimas da seca

  • Vice-presidente do MPLA, Luísa Damião
Luanda - A direcção do MPLA entregou, este sábado, 21 toneladas de produtos diversos, para acudir a população afectada pela seca no sul do país.

O lote, entregue à coordenação do projecto "Abraço Solidário", no Centro de Produção da TPA à Camama, inclui arroz, açucar, fuba, feijão, massa alimentar, conservas, manteiga, leite, óleo alimentar, água mineral, entre outros bens.

Gesto semelhante realizou a petrolífera angolana Sonangol, ao entregar 100 toneladas de bens diversos.

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, afirmou que se trata de um gesto solidário, por via do Gabinete de Cidadania e Sociedade Civil do seu partido, traduzindo solidariedade e humanismo.

Segundo Luísa Damião, em tempo de pandemia e catástrofes naturais, deve haver maior colaboração e participação dos cidadãos, em acções de solidariedade, que visam ajudar os mais vulneráveis.

Apelou aos angolanos para continuarem a cultivar sentimentos de solidariedade, altruísmo e humanismo, partilhando o pouco que têm com os mais necessitados.

"Imbuídos no espírito patriótico e de humanismo, queremos incentivar os angolanos a continuarem nesta senda", referiu a dirigente partidária, que apelou a sociedade civil a mobilizar meios para ajudar os  mais carenciados.

A campanha de recolha de donativos, para ajudar famílias em situação de vulnerabilidade no país, conta com o apoio do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS).

Promovida pelos órgãos de comunicação social públicos, privados e empresas do sector das telecomunicações, a campanha vai decorrer durante três meses, para promover a cidadania, por via da participação social.

A seca no sul de Angola, particularmente nas províncias da Huíla, Cunene e Namíbe, afectou mais de 14 mil famílias, que contam com o apoio de várias instituições.

O lote, entregue à coordenação do projecto "Abraço Solidário", no Centro de Produção da TPA à Camama, inclui arroz, açucar, fuba, feijão, massa alimentar, conservas, manteiga, leite, óleo alimentar, água mineral, entre outros bens.

Gesto semelhante realizou a petrolífera angolana Sonangol, ao entregar 100 toneladas de bens diversos.

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, afirmou que se trata de um gesto solidário, por via do Gabinete de Cidadania e Sociedade Civil do seu partido, traduzindo solidariedade e humanismo.

Segundo Luísa Damião, em tempo de pandemia e catástrofes naturais, deve haver maior colaboração e participação dos cidadãos, em acções de solidariedade, que visam ajudar os mais vulneráveis.

Apelou aos angolanos para continuarem a cultivar sentimentos de solidariedade, altruísmo e humanismo, partilhando o pouco que têm com os mais necessitados.

"Imbuídos no espírito patriótico e de humanismo, queremos incentivar os angolanos a continuarem nesta senda", referiu a dirigente partidária, que apelou a sociedade civil a mobilizar meios para ajudar os  mais carenciados.

A campanha de recolha de donativos, para ajudar famílias em situação de vulnerabilidade no país, conta com o apoio do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS).

Promovida pelos órgãos de comunicação social públicos, privados e empresas do sector das telecomunicações, a campanha vai decorrer durante três meses, para promover a cidadania, por via da participação social.

A seca no sul de Angola, particularmente nas províncias da Huíla, Cunene e Namíbe, afectou mais de 14 mil famílias, que contam com o apoio de várias instituições.