Mulheres jornalistas incentivadas a reforçar conhecimento

Luanda - A necessidade das mulheres reforçarem os níveis de conhecimento e o profissionalismo foram hoje, em Luanda, apontadas pela jornalista Paula Simons como factores determinantes para a sua afirmação na carreira.

Segundo a antiga administradora para área de conteúdos da Rádio Nacional de Angola (RNA), que falava durante uma palestra sob o tema “o papel da mulher jornalista nos 45 anos de independência”, enquanto profissionais a responsabilidade deve ser igual, sem desprimor de sexo, pelo que é importante capacitarem-se para informar com sustentabilidade e competência.

Para Paula Simons, o jornalista é uma referência e que se dirige para um público diversificado, o que se recomenda preparação rigorosa para todos os profissionais.

 Quanto ao tema em análise, em que foi moderada pela jornalista Paula Esteves, da Televisão Pública de Angola, acrescentou que várias mulheres destacaram-se  em coberturas de elevado risco e não só, que determinaram a liberdade de imprensa que o país regista.

 Durante a actividade, bastante interactiva, as duas jornalistas falaram igualmente das suas experiências em campos de reportagens dentro e fora do país, elucidando os presentes e os novos profissionais para manutenção do respeito e dedicação, visando contrapor a discriminação no sector e na sociedade.  

O evento de hoje encerra o ciclo de palestras organizado pela União dos Jornalistas Angolanos (UJA), para o presente ano.

Segundo a antiga administradora para área de conteúdos da Rádio Nacional de Angola (RNA), que falava durante uma palestra sob o tema “o papel da mulher jornalista nos 45 anos de independência”, enquanto profissionais a responsabilidade deve ser igual, sem desprimor de sexo, pelo que é importante capacitarem-se para informar com sustentabilidade e competência.

Para Paula Simons, o jornalista é uma referência e que se dirige para um público diversificado, o que se recomenda preparação rigorosa para todos os profissionais.

 Quanto ao tema em análise, em que foi moderada pela jornalista Paula Esteves, da Televisão Pública de Angola, acrescentou que várias mulheres destacaram-se  em coberturas de elevado risco e não só, que determinaram a liberdade de imprensa que o país regista.

 Durante a actividade, bastante interactiva, as duas jornalistas falaram igualmente das suas experiências em campos de reportagens dentro e fora do país, elucidando os presentes e os novos profissionais para manutenção do respeito e dedicação, visando contrapor a discriminação no sector e na sociedade.  

O evento de hoje encerra o ciclo de palestras organizado pela União dos Jornalistas Angolanos (UJA), para o presente ano.