Empresa de águas efectua mais de 10 mil cortes

Moçâmedes - A Empresa Pública de Águas e Saneamento no Namibe (EPAS) efectuou, nos últimos oito meses, dez mil e 50 cortes de ligações domiciliares, por falta de pagamento.

A informação foi prestada hoje, segunda-feira, pelo Presidente do Conselho Administrativo da referida empresa,  Arlindo Tavares, referindo que neste período foram efectuadas quatro mil cobranças aos clientes, sem no entanto revelar o valor em dívida.

Disse que paralelamente a este constrangimento, a EPAS tem-se confrontado com a destruição dos seus equipamentos de distribuição de água, principalmente contadores, muitos sabotados pelos próprios utentes,   para evitarem o pagamento.

Apesar da vandalização dos bens, o responsável disse que a empresa mantém o normal abastecimento do líquido aos clientes cumpridores.

Por outro lado, Arlindo Tavares disse que, no quadro do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), alguns projectos vão entrar em curso, como a colocação de nova tubagem e construção de sistemas de captação de água, para beneficiar outras áreas onde os serviços ainda não chegam.

Nesta perspectiva, fez saber que está em curso o projecto de expansão das águas residuais e do reforço do sistema de abastecimento nos bairros Bela Vista, Saidy Mingas II, Valódia II, 4 de Março, que será efectuado de forma faseada, contemplando igualmente a construção de fontenários.

O sector controla 20 mil ligações domiciliárias, das 22 mil 700 previstas.

 

A informação foi prestada hoje, segunda-feira, pelo Presidente do Conselho Administrativo da referida empresa,  Arlindo Tavares, referindo que neste período foram efectuadas quatro mil cobranças aos clientes, sem no entanto revelar o valor em dívida.

Disse que paralelamente a este constrangimento, a EPAS tem-se confrontado com a destruição dos seus equipamentos de distribuição de água, principalmente contadores, muitos sabotados pelos próprios utentes,   para evitarem o pagamento.

Apesar da vandalização dos bens, o responsável disse que a empresa mantém o normal abastecimento do líquido aos clientes cumpridores.

Por outro lado, Arlindo Tavares disse que, no quadro do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), alguns projectos vão entrar em curso, como a colocação de nova tubagem e construção de sistemas de captação de água, para beneficiar outras áreas onde os serviços ainda não chegam.

Nesta perspectiva, fez saber que está em curso o projecto de expansão das águas residuais e do reforço do sistema de abastecimento nos bairros Bela Vista, Saidy Mingas II, Valódia II, 4 de Março, que será efectuado de forma faseada, contemplando igualmente a construção de fontenários.

O sector controla 20 mil ligações domiciliárias, das 22 mil 700 previstas.