Pastor aponta respeito como caminho para a convivência social

Luanda - O resgate do respeito entre os angolanos, autoridades, a preservação dos bens públicos e o amor ao próximo são essenciais na convivência social, afirmou, nesta terça-feira, o pastor da Igreja Metodista Unida, João Cassange.

Em declaração à ANGOP, o religioso considera inquietante a perda da moral cívica na sociedade, apontando o acentuado aumento de acções de desrespeito as autoridades, vandalização dos bens públicos, delapidação do erário e desestruturação das famílias.

Aponta esses males como um dos factores que compromete a ética e a injustiça social e o desemprego que arrasta consigo casos de alcoolismo, prostituição, roubo e a desobediência às leis.

“A grande preocupação da Igreja tem a ver com as famílias que são as principais vítimas da alteração dos costumes e dos valores da sociedade”, sublinhou.

Na óptica da fonte, o papel da Igreja é educar as famílias, a sociedade e resgatar os valores que se perderam e trabalhar no bem-estar de todos.

Segundo João Cassange, a justiça social e a empregabilidade dos jovens pode ajudar no resgate dos valores cívicos, levando os cidadãos a sentirem-se úteis na sociedade e contribuírem positivamente para o desenvolvimento da nação.

João Cassange apelou também aos jovens para evangelizarem os angolanos através da educação cristã, para prática do bem.

“A religião fará sempre a diferença, porque o seu modelo de educação é virado para o bem de todos. A crença reconhece que os seres humanos são diferentes, mas sempre podem caminhar juntos”, afirmou.

Para o pastor, a função de ensinar os preceitos cívicos e morais não depende somente da igreja, sendo que o maior aliado é o Estado, que trabalha em parceria com as famílias a fim de construir relacionamentos saudáveis.

João Cassange salientou ser necessário que as igrejas, famílias, escolas, universidades e a sociedade civil organizada façam parte dessa luta.

A igreja, ressaltou, contínua a formar pessoas íntegras de carácter, por ser uma de suas grandes responsabilidades.

O religioso apelou aos jovens no sentido de aperfeiçoarem o espírito de amor, uma vez que hoje essa palavra encontra-se destorcida e vazia.

Em declaração à ANGOP, o religioso considera inquietante a perda da moral cívica na sociedade, apontando o acentuado aumento de acções de desrespeito as autoridades, vandalização dos bens públicos, delapidação do erário e desestruturação das famílias.

Aponta esses males como um dos factores que compromete a ética e a injustiça social e o desemprego que arrasta consigo casos de alcoolismo, prostituição, roubo e a desobediência às leis.

“A grande preocupação da Igreja tem a ver com as famílias que são as principais vítimas da alteração dos costumes e dos valores da sociedade”, sublinhou.

Na óptica da fonte, o papel da Igreja é educar as famílias, a sociedade e resgatar os valores que se perderam e trabalhar no bem-estar de todos.

Segundo João Cassange, a justiça social e a empregabilidade dos jovens pode ajudar no resgate dos valores cívicos, levando os cidadãos a sentirem-se úteis na sociedade e contribuírem positivamente para o desenvolvimento da nação.

João Cassange apelou também aos jovens para evangelizarem os angolanos através da educação cristã, para prática do bem.

“A religião fará sempre a diferença, porque o seu modelo de educação é virado para o bem de todos. A crença reconhece que os seres humanos são diferentes, mas sempre podem caminhar juntos”, afirmou.

Para o pastor, a função de ensinar os preceitos cívicos e morais não depende somente da igreja, sendo que o maior aliado é o Estado, que trabalha em parceria com as famílias a fim de construir relacionamentos saudáveis.

João Cassange salientou ser necessário que as igrejas, famílias, escolas, universidades e a sociedade civil organizada façam parte dessa luta.

A igreja, ressaltou, contínua a formar pessoas íntegras de carácter, por ser uma de suas grandes responsabilidades.

O religioso apelou aos jovens no sentido de aperfeiçoarem o espírito de amor, uma vez que hoje essa palavra encontra-se destorcida e vazia.