Plano de Empregabilidade atribui kits profissionais

  • Kits profissionais (arquivo)
Ondjiva - Cinquenta e quatro kits de ferramentas de trabalho foram entregues aos jovens da província do Cunene, no âmbito da segunda fase do Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE), visando o fomento do auto-emprego.

Os kits de carpintaria, electricidade, alvenaria, serralharia, pintor, canalizador electricista, salão de beleza e manicuri foram entregues  a 39 jovens do município do Cuanhama e 15 do Ombadja.

Os pequenos negócios vão permitir o emprego de mais 200 jovens, para além dos beneficiários.

Os meios foram entregues pelo secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pedro Filipe, que, na ocasião, informou que esta segunda fase prevê a distribuição de 158 kits a nível da província, com vista a criar 406 postos de trabalho.

Já no âmbito do incentivo ao empreendedorismo, disse que a acção prevê capacitar 345 jovens em matéria de gestão básica de pequenos negócios.

Relativamente ao programa Avança, Pedro Filipe realçou que o PAPE permitiu a formação de 156 jovens, dos 172 matriculados inicialmente, enquanto na formação de actividades económicas foram capacitadas  753 microempresas.

Entretanto, afirmou que o plano tem por objectivo dinamizar um conjunto de acções que visam estimular o surgimento de novos postos de trabalho e garantir a estabilidade de empregos criados, com vista a promoção e integração dos jovens no desenvolvimento nacional.

Pedro Filipe, a iniciativa demonstra o comprometimento do Executivo para com a empregabilidade e a formação profissional dos jovens, de modo a reverter o quadro de desemprego, exclusão social e da pobreza.

Nesta segundo fase, realçou, o sector vai trabalhar de forma mais direita e incisiva com os beneficiados, estando programadas a realização de visita aos projectos contemplados na primeira fase.

 “Depois da primeira fase chegou a vez de verificar como os beneficiários estão a usar os recursos alocados, avaliar a execução do programa e continuar a conceder micro créditos, kits e carteiras profissionais, para além da formalização d actividade comercial”, sublinhou.

Por seu turno, o vice-governador para o sector Político, Social e Económico, Apolo Ndinoulenga, disse que o PAPE  vai contribuir para o fomento das iniciativas empreendedoras no seio da juventude e a sua capacitação em técnicas de gestão de pequenos negócios, visando o combate à fome e à pobreza.

Acrescentou que acção resulta do comprimento dos objectivos estabelecidos no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018/2022, no domínio do reforço da capacidade do sistema nacional de formação profissional e da empregabilidade no seio da juventude.

Apelou aos jovens a aderir os ciclos formativos ministrados nos centros  profissionais, a fim de obterem carteiras profissionais e micro créditos, e consequentemente, criar outros postos de trabalho e assegurar o processo de transmissão dos conhecimento.

Na primeira fase, o PAPE atribui 94 micro créditos e 57 kits de ferramentas de trabalho para 151 jovens dos municípios do Cuanhama e Namacunde, assim como 176 outros contemplados em acções de formação.

Os kits de carpintaria, electricidade, alvenaria, serralharia, pintor, canalizador electricista, salão de beleza e manicuri foram entregues  a 39 jovens do município do Cuanhama e 15 do Ombadja.

Os pequenos negócios vão permitir o emprego de mais 200 jovens, para além dos beneficiários.

Os meios foram entregues pelo secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pedro Filipe, que, na ocasião, informou que esta segunda fase prevê a distribuição de 158 kits a nível da província, com vista a criar 406 postos de trabalho.

Já no âmbito do incentivo ao empreendedorismo, disse que a acção prevê capacitar 345 jovens em matéria de gestão básica de pequenos negócios.

Relativamente ao programa Avança, Pedro Filipe realçou que o PAPE permitiu a formação de 156 jovens, dos 172 matriculados inicialmente, enquanto na formação de actividades económicas foram capacitadas  753 microempresas.

Entretanto, afirmou que o plano tem por objectivo dinamizar um conjunto de acções que visam estimular o surgimento de novos postos de trabalho e garantir a estabilidade de empregos criados, com vista a promoção e integração dos jovens no desenvolvimento nacional.

Pedro Filipe, a iniciativa demonstra o comprometimento do Executivo para com a empregabilidade e a formação profissional dos jovens, de modo a reverter o quadro de desemprego, exclusão social e da pobreza.

Nesta segundo fase, realçou, o sector vai trabalhar de forma mais direita e incisiva com os beneficiados, estando programadas a realização de visita aos projectos contemplados na primeira fase.

 “Depois da primeira fase chegou a vez de verificar como os beneficiários estão a usar os recursos alocados, avaliar a execução do programa e continuar a conceder micro créditos, kits e carteiras profissionais, para além da formalização d actividade comercial”, sublinhou.

Por seu turno, o vice-governador para o sector Político, Social e Económico, Apolo Ndinoulenga, disse que o PAPE  vai contribuir para o fomento das iniciativas empreendedoras no seio da juventude e a sua capacitação em técnicas de gestão de pequenos negócios, visando o combate à fome e à pobreza.

Acrescentou que acção resulta do comprimento dos objectivos estabelecidos no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018/2022, no domínio do reforço da capacidade do sistema nacional de formação profissional e da empregabilidade no seio da juventude.

Apelou aos jovens a aderir os ciclos formativos ministrados nos centros  profissionais, a fim de obterem carteiras profissionais e micro créditos, e consequentemente, criar outros postos de trabalho e assegurar o processo de transmissão dos conhecimento.

Na primeira fase, o PAPE atribui 94 micro créditos e 57 kits de ferramentas de trabalho para 151 jovens dos municípios do Cuanhama e Namacunde, assim como 176 outros contemplados em acções de formação.