PN garante existência de segurança pública no país

  • Director das Operações e Segurança Pública da Polícia Nacional, comissário Orlando Bernardo
Luanda - O director de Segurança Pública da Polícia Nacional, comissário Orlando Bernardo, assegurou hoje (terça-feira), em Luanda, a existência de tranquilidade no país, apesar de alguns crimes que acontecem na capital do país.

Orlando Bernardo, fez este pronunciamento, durante um encontro com membros da sociedade civil e jornalistas, enquadrado na apresentação de dados estatísticos criminais, dos meses de Agosto e Setembro do ano em curso.

Explicou, contudo, que nos meses em referência, foram feitas mais de sete mil detenções, das quais 60 por cento dos crimes foram realizados com recurso a arma de fogo.

Quanto ao caso do assalto na Via Expressa, o director esclareceu que todos os indivíduos que cometeram o crime, muito partilhado nas redes sociais, já foram detidos.

Informou, por seu lado, que se registou uma redução de criminalidade dos mais de 500 casos assinalados, sendo menos 59 homicídios, comparando ao igual período em 2020.

Informou, entretanto, que diariamente, a nível do país, são feitas mais de 200 detenções de indivíduos integrantes de crimes violentos, utilizando armas de fogo e branca, respectivamente.

No período em referência, a Polícia Nacional registou dez mil e 788 crimes esclarecidos e  a detenção de sete mil 307 suspeitos da prática criminal.

Quanto aos crimes violentos, realçou, foram cometidos dois mil 889, com armas de fogo, branca, assim como de roubos, homicídios e agressões sexuais.

No período em análise, foram apreendidas 273 armas de fogo de diversas marcas, 422 viaturas, mil 62 motorizadas e a recuperação de 34 automóveis.

Foram ainda desmantelados 13 grupos de marginais, com realce a uma associação de malfeitores constituída por chineses, que se dedicavam a prática de raptos de pessoas no município do Belas,e igual número de nigerianos que realizavam o tráfico de seres humanos.

 

 

Orlando Bernardo, fez este pronunciamento, durante um encontro com membros da sociedade civil e jornalistas, enquadrado na apresentação de dados estatísticos criminais, dos meses de Agosto e Setembro do ano em curso.

Explicou, contudo, que nos meses em referência, foram feitas mais de sete mil detenções, das quais 60 por cento dos crimes foram realizados com recurso a arma de fogo.

Quanto ao caso do assalto na Via Expressa, o director esclareceu que todos os indivíduos que cometeram o crime, muito partilhado nas redes sociais, já foram detidos.

Informou, por seu lado, que se registou uma redução de criminalidade dos mais de 500 casos assinalados, sendo menos 59 homicídios, comparando ao igual período em 2020.

Informou, entretanto, que diariamente, a nível do país, são feitas mais de 200 detenções de indivíduos integrantes de crimes violentos, utilizando armas de fogo e branca, respectivamente.

No período em referência, a Polícia Nacional registou dez mil e 788 crimes esclarecidos e  a detenção de sete mil 307 suspeitos da prática criminal.

Quanto aos crimes violentos, realçou, foram cometidos dois mil 889, com armas de fogo, branca, assim como de roubos, homicídios e agressões sexuais.

No período em análise, foram apreendidas 273 armas de fogo de diversas marcas, 422 viaturas, mil 62 motorizadas e a recuperação de 34 automóveis.

Foram ainda desmantelados 13 grupos de marginais, com realce a uma associação de malfeitores constituída por chineses, que se dedicavam a prática de raptos de pessoas no município do Belas,e igual número de nigerianos que realizavam o tráfico de seres humanos.