Polícia apresenta ladrões de cabos eléctricos da ENDE no Lobito

Lobito - Seis mil metros é a quantidade de cabos eléctricos de alta tensão surripiados de um armazém da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade(ENDE), na cidade portuária do Lobito, província de Benguela, por quatro elementos apresentados hoje, quinta-feira, pela Polícia Nacional.

Falando à imprensa durante o acto de apresentação dos meliantes, o porta-voz do Comando Provincial da PN, inspector-chefe Ernerto Tchiwale, informou que os elementos, com idades compreendidas entre os 33 e 51 anos, foram surpreendidos no passado dia 17 do corrente mês, através de uma denúncia.

Explicou que transportavam o material em duas bobinas, cada uma com três mil metros de cabo, fazendo-se passar por sucata.
 

Os infractores beneficiaram do facto de prestarem serviços a uma empresa denominada “Delta”, que tem um convénio com a ENDE para o transporte de sucata daquela empresa estatal. Depois de uma vistoria, verificou-se que se tratava de cabos eléctricos retirados de um armazém localizado no bairro da Cassai, sem o consentimento da ENDE.
 

“Achamos que terá existido alguma cumplicidade de alguns trabalhadores do armazém, já  que o referido espaço estava  guarnecido”, enfatizou.
 

Questionado sobre o destino do material, Ernesto Tchiwale afirmou que “sabe-se apenas que tinha como finalidade a comercialização. Até ao momento desconhecem-se os potenciais compradores”.

Afirmou, no entanto, que a Polícia está a fazer diligências para obter mais elementos sobre o caso, para poder responsabilizar os infractores
e consequentemente responderem criminalmente.

Segundo o inspector-chefe, este é o primeiro caso que acontece no Lobito, embora haja registos de que no ano passado, houve várias ocorrências do género na cidade de Benguela.

Os cabos em causa servem para o transporte de energia a longas distâncias, através de postes para conectar as estações eléctricas para fornecimento de energia às diversas localidades, com base nos postos e secções de transformação.
 

Falando à imprensa durante o acto de apresentação dos meliantes, o porta-voz do Comando Provincial da PN, inspector-chefe Ernerto Tchiwale, informou que os elementos, com idades compreendidas entre os 33 e 51 anos, foram surpreendidos no passado dia 17 do corrente mês, através de uma denúncia.

Explicou que transportavam o material em duas bobinas, cada uma com três mil metros de cabo, fazendo-se passar por sucata.
 

Os infractores beneficiaram do facto de prestarem serviços a uma empresa denominada “Delta”, que tem um convénio com a ENDE para o transporte de sucata daquela empresa estatal. Depois de uma vistoria, verificou-se que se tratava de cabos eléctricos retirados de um armazém localizado no bairro da Cassai, sem o consentimento da ENDE.
 

“Achamos que terá existido alguma cumplicidade de alguns trabalhadores do armazém, já  que o referido espaço estava  guarnecido”, enfatizou.
 

Questionado sobre o destino do material, Ernesto Tchiwale afirmou que “sabe-se apenas que tinha como finalidade a comercialização. Até ao momento desconhecem-se os potenciais compradores”.

Afirmou, no entanto, que a Polícia está a fazer diligências para obter mais elementos sobre o caso, para poder responsabilizar os infractores
e consequentemente responderem criminalmente.

Segundo o inspector-chefe, este é o primeiro caso que acontece no Lobito, embora haja registos de que no ano passado, houve várias ocorrências do género na cidade de Benguela.

Os cabos em causa servem para o transporte de energia a longas distâncias, através de postes para conectar as estações eléctricas para fornecimento de energia às diversas localidades, com base nos postos e secções de transformação.