População estudantil do Lobito beneficia de sete novas escolas

  • Cidade do Lobito: uma das suas artérias
Lobito – Sete novas escolas, incluindo o Instituto Médio de Saúde, entrarão em funcionamento neste ano lectivo, no município do Lobito, província de Benguela, no âmbito de 35 acções programadas pela sua Administração, soube a Angop, nesta quinta-feira.

Segundo o administrador local, Evaristo Calopa Mário, que anunciou o facto durante a cerimónia de comemoração dos 108 anos da cidade ferroportuária, vão beneficiar destas infra-estruturas de ensino, sete mil e 240 alunos.

Ainda no quadro das referidas acções, acrescentou, trés unidades sanitárias vão igualmente estar disponíveis para atender a população ainda este ano.

O discurso do administrador veio dar resposta, de certa forma, às inquietações dos munícipes, afirmando que “nos próximos dias, teremos a oportunidade de ver acontecer o arranque das obras enquadradas no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM),  que vão impactar na vida dos cidadãos”.

“Tratam-se de acções no domínio da educação, saúde, nas vias de comunicação, energia, saneamento básico, segurança e ordem pública e nos sectores social e económico”, explicou.

Afirmou ainda que, a par destas acções, estão também para breve outras, no município, sobre liderança do Governo Provincial, que vão incorporar as infra-estruturas rodoviárias, a macro-drenagem e o posto de abastecimento de água à zona alta da cidade.

“Está também em curso a elaboração da postura municipal, que é um importante instrumento de gestão do município que reunirá um conjunto de normas e regras diversas que visam regular e estabelecer as necessárias relações entre a administração e os cidadãos”, realçou.

Em relação as tarefas em curso, Calopa Mário referiu-se sobre a recuperação de jardins, numa parceria com empresas, associações e entidades singulares, a plantação e substituição de árvores, a recuperação paulatina da iluminação pública em várias zonas, bem como a limpeza urbana que, a seu ver, “continua a ser o grande calcanhar de Aquiles da administração”.

Segundo ele,  apesar da Covid-19 impôr medidas restritivas, a única "varinha mágica" com que a sua administração conta para a cidade do Lobito voltar a ser a Sala de Visitas de Angola, é a colaboração dos munícipes, de acordo com a gestão participativa que se propõe implementar.

“O Lobito é um município com condições geográficas, com destaque para a nossa baía, que nos permite atingir um rápido desenvolvimento, e esse factor dá-nos uma vantagem competitiva”, afirmou o administrador.

Durante a cerimónia de aniversário da cidade, foram atribuídas menções honrosas a pessoas individuais e colectivas, pelo seu contributo em prol do desenvolvimento da cidade.

Por outro lado, houve também momentos cultural e desportivo, preenchidos por músicos, actores de teatro e uma demonstração de prova de vela, onde desfilaram cinco pequenas embarcações, sob responsabilidade do clube desportivo do Lobito.

O município do Lobito tem uma extensão territorial de dois mil e 700 quilómetros quadrados e representa cerca de sete por cento do território da província. Conta com uma população acima de 500 mil habitantes.

Segundo o administrador local, Evaristo Calopa Mário, que anunciou o facto durante a cerimónia de comemoração dos 108 anos da cidade ferroportuária, vão beneficiar destas infra-estruturas de ensino, sete mil e 240 alunos.

Ainda no quadro das referidas acções, acrescentou, trés unidades sanitárias vão igualmente estar disponíveis para atender a população ainda este ano.

O discurso do administrador veio dar resposta, de certa forma, às inquietações dos munícipes, afirmando que “nos próximos dias, teremos a oportunidade de ver acontecer o arranque das obras enquadradas no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM),  que vão impactar na vida dos cidadãos”.

“Tratam-se de acções no domínio da educação, saúde, nas vias de comunicação, energia, saneamento básico, segurança e ordem pública e nos sectores social e económico”, explicou.

Afirmou ainda que, a par destas acções, estão também para breve outras, no município, sobre liderança do Governo Provincial, que vão incorporar as infra-estruturas rodoviárias, a macro-drenagem e o posto de abastecimento de água à zona alta da cidade.

“Está também em curso a elaboração da postura municipal, que é um importante instrumento de gestão do município que reunirá um conjunto de normas e regras diversas que visam regular e estabelecer as necessárias relações entre a administração e os cidadãos”, realçou.

Em relação as tarefas em curso, Calopa Mário referiu-se sobre a recuperação de jardins, numa parceria com empresas, associações e entidades singulares, a plantação e substituição de árvores, a recuperação paulatina da iluminação pública em várias zonas, bem como a limpeza urbana que, a seu ver, “continua a ser o grande calcanhar de Aquiles da administração”.

Segundo ele,  apesar da Covid-19 impôr medidas restritivas, a única "varinha mágica" com que a sua administração conta para a cidade do Lobito voltar a ser a Sala de Visitas de Angola, é a colaboração dos munícipes, de acordo com a gestão participativa que se propõe implementar.

“O Lobito é um município com condições geográficas, com destaque para a nossa baía, que nos permite atingir um rápido desenvolvimento, e esse factor dá-nos uma vantagem competitiva”, afirmou o administrador.

Durante a cerimónia de aniversário da cidade, foram atribuídas menções honrosas a pessoas individuais e colectivas, pelo seu contributo em prol do desenvolvimento da cidade.

Por outro lado, houve também momentos cultural e desportivo, preenchidos por músicos, actores de teatro e uma demonstração de prova de vela, onde desfilaram cinco pequenas embarcações, sob responsabilidade do clube desportivo do Lobito.

O município do Lobito tem uma extensão territorial de dois mil e 700 quilómetros quadrados e representa cerca de sete por cento do território da província. Conta com uma população acima de 500 mil habitantes.