Protecção Civil e Bombeiros assiste 14 mil famílias afectadas pela seca

  • Bens alimentares para população do Curoca
Luanda - Catorze mil famílias afectadas pela seca nas províncias da Huíla, do Cunene e do Namíbe (Sul de Angola) foram assistidas com material de trabalho, construção e agricultura, para mitigar as suas dificuldades.

O director do Gabinete de Comunicação e Imprensa do Serviço de Protecção Civil e Bombeiro, Félix Domingos, disse esta terça-feira, em Luanda, que estão igualmente a ser distribuídas 200 moto-cisternas para distribuição de água à população.

O responsável fazia o balanço da visita de trabalho de 12 dias que o comandante-geral da Protecção Civil e Bombeiros, Bensau Mateus, efectuou àquela região, para aferir o grau de necessidades e preocupações da população face à seca e praga de gafanhotos.

A seca afectou 10 mil famílias nas regiões da Chibia (Huila), Tômbwa e Virei (Namibe), que serão assistidas no âmbito dos meios já disponibilizados pelo Executivo e do apoio da sociedade civil.

Sobre a praga de gafanhotos, Félix Domingos afirmou que 547 lavras foram destruídas na região, sendo a província do Cunene a mais afectada, com 487 (Cuanhama 57 e Namacunde 430) e 60 no Cuando Cubango.

A praga colocou em risco a produção de massambala e massango, podendo originar a fome na região.

Para atenuar a situação, o Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, com o apoio da Força Aérea Nacional, está a pulverizar os campos e capacitar os camponeses que combatem os gafanhotos.

O porta-voz apelou para a fortificação das comissões municipais e provinciais de protecção civil, a fim de se potenciar as localidades, para que possam enfrentar a situação adversa que vivem e reduzir o impacto negativo da seca, chuva excessiva e praga de insectos.

 

 

O director do Gabinete de Comunicação e Imprensa do Serviço de Protecção Civil e Bombeiro, Félix Domingos, disse esta terça-feira, em Luanda, que estão igualmente a ser distribuídas 200 moto-cisternas para distribuição de água à população.

O responsável fazia o balanço da visita de trabalho de 12 dias que o comandante-geral da Protecção Civil e Bombeiros, Bensau Mateus, efectuou àquela região, para aferir o grau de necessidades e preocupações da população face à seca e praga de gafanhotos.

A seca afectou 10 mil famílias nas regiões da Chibia (Huila), Tômbwa e Virei (Namibe), que serão assistidas no âmbito dos meios já disponibilizados pelo Executivo e do apoio da sociedade civil.

Sobre a praga de gafanhotos, Félix Domingos afirmou que 547 lavras foram destruídas na região, sendo a província do Cunene a mais afectada, com 487 (Cuanhama 57 e Namacunde 430) e 60 no Cuando Cubango.

A praga colocou em risco a produção de massambala e massango, podendo originar a fome na região.

Para atenuar a situação, o Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, com o apoio da Força Aérea Nacional, está a pulverizar os campos e capacitar os camponeses que combatem os gafanhotos.

O porta-voz apelou para a fortificação das comissões municipais e provinciais de protecção civil, a fim de se potenciar as localidades, para que possam enfrentar a situação adversa que vivem e reduzir o impacto negativo da seca, chuva excessiva e praga de insectos.