Recém-licenciados estagiam em projectos do FAS

Cuito - Nove recém-licenciados do Instituto Superior Politécnico do Bié (ISPB) iniciam a partir de hoje um estágio comunitário de forma remunerada, através de prestação de serviço ao Fundo de Apoio Social (FAS).

Os jovens foram inseridos nas diferentes actividades que a instituição desenvolve, sobretudo nos municípios do Andulo, Nharêa e Camacupa, para um período de seis meses.
No Bié, o FAS desenvolve programas do Governo ligados ao Kwenda, desenvolvimento da economia local, inclusão produtiva assim como na componente de infra-estruturas.
Na cerimónia de assinatura do memorando, ocorrida nesta quinta-feira, na cidade do Cuito, o responsável do FAS no Bié, Rizoni Costa Chivembe referiu que o objectivo é passar experiência aos jovens, para que com o seu saber tragam valores agregado aos diferentes programas e, diante de futuras oportunidades de emprego, estejam melhores capacitados.
Já o coordenador do Instituto Superior Politécnico do Bié (ISPB), Gerson António Palhares, disse que a instituição elegeu de forma gradual os seus melhores estudantes finalistas dos cursos de Comunicação Social, Informática e Engenharia de Recursos Hídricos.
O critério gizou na avaliação do desempenho, participação interna, boa liderança no seio dos colegas, características aprimoradas de convivência social, entre outros.
 
O responsável augura êxitos aos beneficiários, no sentido de galvanizar bons resultados, para abrir mais oportunidades para os demais.
Por seu turno, o vice-governador do Bié para a área política, social e económica, António Manuel, anunciou o Kwenda vai nos próximos meses assistir noventa mil famílias, por isso a inserção dos licenciados neste programa é fundamental para o seu êxito.
Destas, 40 mil famílias no município do Andulo, 19 mil na Nharêa e 31 mil em Camacupa.
O Fundo de Apoio Social (FAS) tem entre outras atribuições a promoção de estudos práticos e projectos direccionados ao combate à pobreza nas áreas rurais e peri-urbanas.
O programa de estágios comunitários abrange os estudantes recém-licenciados de todo país, privilegiando candidatos cujo perfil de saída traga um valor acrescentado aos programas de combate à pobreza e ao desenvolvimento rural e comunitário, saúde pública e outros.
Os jovens foram inseridos nas diferentes actividades que a instituição desenvolve, sobretudo nos municípios do Andulo, Nharêa e Camacupa, para um período de seis meses.
No Bié, o FAS desenvolve programas do Governo ligados ao Kwenda, desenvolvimento da economia local, inclusão produtiva assim como na componente de infra-estruturas.
Na cerimónia de assinatura do memorando, ocorrida nesta quinta-feira, na cidade do Cuito, o responsável do FAS no Bié, Rizoni Costa Chivembe referiu que o objectivo é passar experiência aos jovens, para que com o seu saber tragam valores agregado aos diferentes programas e, diante de futuras oportunidades de emprego, estejam melhores capacitados.
Já o coordenador do Instituto Superior Politécnico do Bié (ISPB), Gerson António Palhares, disse que a instituição elegeu de forma gradual os seus melhores estudantes finalistas dos cursos de Comunicação Social, Informática e Engenharia de Recursos Hídricos.
O critério gizou na avaliação do desempenho, participação interna, boa liderança no seio dos colegas, características aprimoradas de convivência social, entre outros.
 
O responsável augura êxitos aos beneficiários, no sentido de galvanizar bons resultados, para abrir mais oportunidades para os demais.
Por seu turno, o vice-governador do Bié para a área política, social e económica, António Manuel, anunciou o Kwenda vai nos próximos meses assistir noventa mil famílias, por isso a inserção dos licenciados neste programa é fundamental para o seu êxito.
Destas, 40 mil famílias no município do Andulo, 19 mil na Nharêa e 31 mil em Camacupa.
O Fundo de Apoio Social (FAS) tem entre outras atribuições a promoção de estudos práticos e projectos direccionados ao combate à pobreza nas áreas rurais e peri-urbanas.
O programa de estágios comunitários abrange os estudantes recém-licenciados de todo país, privilegiando candidatos cujo perfil de saída traga um valor acrescentado aos programas de combate à pobreza e ao desenvolvimento rural e comunitário, saúde pública e outros.