Regedoria de Camancoco necessita de serviços básicos

  • Regedoria de Camancoco necessita de serviços de saúde (ilustração)
Uíge – A regedoria de Camancoco, no município do Uíge, necessita de serviços sociais básicos para melhorar as condições de vida dos mais de 500 habitantes daquela localidade.

Camancoco,  que dista a 30 quilómetros da cidade do Uíge, conta com apenas uma escola primária e um centro médico inoperante devido ao seu mau estado técnico.

Ao falar à ANGOP, nesta terça-feira, o regedor de Camancoco, Pedro Sebastião, disse que a regedoria necessita de escolas do I e II ciclos, centro materno infantil, sistema de abastecimento de água e a reabilitação de 12 quilómetros de estrada que liga a regedoria à sede provincial.

Justificou que a instalação de serviços essenciais (posto de saúde e escolas) poderá encurtar a distância de aproximadamente nove quilómetros, percorridos diariamente pela população.

Em relação ao acesso à água potável, explicou que a inexistência de um sistema de abastecimento de água potável na localidade faz com que os habitantes da aldeia  recorram aos rios em busca de água para o consumo.

Em resposta às preocupações dos moradores,  a administradora municipal do Uíge, Sónia Arlete, disse estarem previstas, para o próximo ano (2022), a construção de mais salas de aula e a reabilitação da via que liga a localidade à sede municipal, num percurso de 12 quilómetros.

A regedoria de Camancoco, composta pelas aldeias de Quissenguele, Catambi, Kitana, Cassenga e Cunga, os seus habitantes dedicam-se ao cultivo  de mandioca, milho, feijão, amendoim e café.

Camancoco,  que dista a 30 quilómetros da cidade do Uíge, conta com apenas uma escola primária e um centro médico inoperante devido ao seu mau estado técnico.

Ao falar à ANGOP, nesta terça-feira, o regedor de Camancoco, Pedro Sebastião, disse que a regedoria necessita de escolas do I e II ciclos, centro materno infantil, sistema de abastecimento de água e a reabilitação de 12 quilómetros de estrada que liga a regedoria à sede provincial.

Justificou que a instalação de serviços essenciais (posto de saúde e escolas) poderá encurtar a distância de aproximadamente nove quilómetros, percorridos diariamente pela população.

Em relação ao acesso à água potável, explicou que a inexistência de um sistema de abastecimento de água potável na localidade faz com que os habitantes da aldeia  recorram aos rios em busca de água para o consumo.

Em resposta às preocupações dos moradores,  a administradora municipal do Uíge, Sónia Arlete, disse estarem previstas, para o próximo ano (2022), a construção de mais salas de aula e a reabilitação da via que liga a localidade à sede municipal, num percurso de 12 quilómetros.

A regedoria de Camancoco, composta pelas aldeias de Quissenguele, Catambi, Kitana, Cassenga e Cunga, os seus habitantes dedicam-se ao cultivo  de mandioca, milho, feijão, amendoim e café.