Catoca tranquiliza população residente nas margens do rio Lova

Saurimo - O chefe do departamento provincial do ambiente do governo da Lunda sul, Hudilon Tomás, tranquilizou hoje, sexta-feira, a população residente nas margens do rio Lova e Chicapa sobre a qualidade da água consumida ,após a limpeza e o estancamento da ruptura da tubagem do dique afecto a Sociedade Mineira de Catoca.

De lembrar que o incidente teve lugar a 27 de Julho passado afectou a tubagem do dique da bacia de rejeitados, influencinando a turbidez dos rios. A conduta, que funciona como vertedor, foi montada para garantir a segurança da estrutura em épocas chuvosas.

Em declarações à ANGOP, no quadro das actividades de vistoria realizadas no rio Lova e Chicapa, o responsável afirmou que Catoca cumpriu o programa de limpeza e estancamento da ruptura, com a limpeza do rio e dos rejeitados, tornando a água limpa para consumo e rega sem qualquer problema.

Fez saber a morte de algumas espécies de peixes que não são tolerantes a uma oscilação pontual de níveis de oxigénio, devido ao aumento de sólidos em suspensão, poucos quilómetros junto a fonte do vazamento.

Hudilon Tomás revelou que os danos provocados ao meio ambiente são difícies de quantificar, mas o processo ambiental regenera-se com normalidade e rapidez.

Referiu, por outro lado, que os rios Chicapa e Lova já têm um histórico de poluição causada pela extracção artesanal de diamantes, actividade que contribui na concentração dos sólidos em suspensão.   

“Portanto, isto afecta as variáveis imunológicas, que são a transparência, cor, turbidez, sólidos dissolvidos, sólidos totais e sedimentáveis, no entanto, podemos aqui dizer que no rio chicapa sempre existiu níveis de turbidez anormal”, enfatizou.

Avançou que a empresa Catoca continuará a fazer monitorameno periódico da qualidade da água, com a participação e acompanhamento do Gabinete provincial do Ambiente, Gestão de Resíduos e Serviços Comunitários, dos governos provinciais das Lunda Sul e Lunda Norte, respectivamente.

Por outro lado, face a situação, a Catoca tem estado a distribuir cesta básica as comunidades circunvizinhas aos rios Lova e Chicapa, bem como a efectuar perfurações para obtenção de água subterrânea.

De lembrar que o incidente teve lugar a 27 de Julho passado afectou a tubagem do dique da bacia de rejeitados, influencinando a turbidez dos rios. A conduta, que funciona como vertedor, foi montada para garantir a segurança da estrutura em épocas chuvosas.

Em declarações à ANGOP, no quadro das actividades de vistoria realizadas no rio Lova e Chicapa, o responsável afirmou que Catoca cumpriu o programa de limpeza e estancamento da ruptura, com a limpeza do rio e dos rejeitados, tornando a água limpa para consumo e rega sem qualquer problema.

Fez saber a morte de algumas espécies de peixes que não são tolerantes a uma oscilação pontual de níveis de oxigénio, devido ao aumento de sólidos em suspensão, poucos quilómetros junto a fonte do vazamento.

Hudilon Tomás revelou que os danos provocados ao meio ambiente são difícies de quantificar, mas o processo ambiental regenera-se com normalidade e rapidez.

Referiu, por outro lado, que os rios Chicapa e Lova já têm um histórico de poluição causada pela extracção artesanal de diamantes, actividade que contribui na concentração dos sólidos em suspensão.   

“Portanto, isto afecta as variáveis imunológicas, que são a transparência, cor, turbidez, sólidos dissolvidos, sólidos totais e sedimentáveis, no entanto, podemos aqui dizer que no rio chicapa sempre existiu níveis de turbidez anormal”, enfatizou.

Avançou que a empresa Catoca continuará a fazer monitorameno periódico da qualidade da água, com a participação e acompanhamento do Gabinete provincial do Ambiente, Gestão de Resíduos e Serviços Comunitários, dos governos provinciais das Lunda Sul e Lunda Norte, respectivamente.

Por outro lado, face a situação, a Catoca tem estado a distribuir cesta básica as comunidades circunvizinhas aos rios Lova e Chicapa, bem como a efectuar perfurações para obtenção de água subterrânea.