Sede municipal de Caimbambo sem água e energia há mais de três semanas

  • Transformadores de energia eléctrica
Benguela – Uma avaria técnica nos grupos geradores deixou a sede municipal de Caimbambo, província de Benguela, sem água e energia eléctrica pela terceira semana consecutiva, apurou esta segunda-feira a ANGOP.

Segundo o director local da Energia e Águas, Joaquim Mário Pestana, relativamente à água, a situação deve-se a uma avaria no grupo gerador de apoio ao sistema de captação e tratamento.

Informou que o gerador, pertença da Empresa de Água e Saneamento de Benguela, apresenta problemas na sua bomba injectora há cerca de um mês, sem solução, o que está a deixar cerca de 40 mil habitantes da sede municipal sem água canalizada.

Para contornar a situação, acrescentou, o sector das águas adoptou a distribuição deste líquido através de moto-cisternas, enquanto se mantiver a avaria.

“Estamos a sofrer por falta de água", admitiu, acrescentando que a situação é igual no que toca à eléctricidade.

Pediu ao governo da província que trate da situação da electricidade através de mini-hídricas ou conexão à linha de fornecimento da barragem de Lomaum, situada no município da Cubal.

 A  Barragem de Lomaum encontra-se localizada a sudeste da província de Benguela (município do Cubal), tendo sido erguida em 1959.

Conta com 20 metros de altura e 250 metros de comprimento e havia paralisado o seu funcionamento em 1984, em consequência do conflito armado.

Antes da sua reabilitação tinha uma capacidade instalada de 35 MW, possuindo agora uma casa de máquinas com quatro unidades geradoras, sendo duas de 15 MW cada e igual número de 10 MW, totalizando 50 MW.

Actualmente, fornece energia eléctrica às cidades de Benguela, Lobito, Catumbela e Baía Farta, deixando as localidades mais próximas a funcionarem com sistemas térmicos.

 

Segundo o director local da Energia e Águas, Joaquim Mário Pestana, relativamente à água, a situação deve-se a uma avaria no grupo gerador de apoio ao sistema de captação e tratamento.

Informou que o gerador, pertença da Empresa de Água e Saneamento de Benguela, apresenta problemas na sua bomba injectora há cerca de um mês, sem solução, o que está a deixar cerca de 40 mil habitantes da sede municipal sem água canalizada.

Para contornar a situação, acrescentou, o sector das águas adoptou a distribuição deste líquido através de moto-cisternas, enquanto se mantiver a avaria.

“Estamos a sofrer por falta de água", admitiu, acrescentando que a situação é igual no que toca à eléctricidade.

Pediu ao governo da província que trate da situação da electricidade através de mini-hídricas ou conexão à linha de fornecimento da barragem de Lomaum, situada no município da Cubal.

 A  Barragem de Lomaum encontra-se localizada a sudeste da província de Benguela (município do Cubal), tendo sido erguida em 1959.

Conta com 20 metros de altura e 250 metros de comprimento e havia paralisado o seu funcionamento em 1984, em consequência do conflito armado.

Antes da sua reabilitação tinha uma capacidade instalada de 35 MW, possuindo agora uma casa de máquinas com quatro unidades geradoras, sendo duas de 15 MW cada e igual número de 10 MW, totalizando 50 MW.

Actualmente, fornece energia eléctrica às cidades de Benguela, Lobito, Catumbela e Baía Farta, deixando as localidades mais próximas a funcionarem com sistemas térmicos.