SIC recupera oito viaturas do Estado

Lubango – O Serviço de Investigação Criminal (SIC) na Huíla apreendeu mais oito viaturas pertencentes ao Estado, supostamente extraviadas por funcionários da administração municipal do Lubango, alguns reformados e outros com término do vínculo laboral.

Trata-se de sete viaturas ligeiras de marca Hyundai, modelo i10 e um Toyota Land Cruiser, modelo Prado, esta última encontrada na posse do antigo director do Instituto Médio de Economia, em serviço de táxi no troço Lubango-Cacula.

Trata-se da segunda acção do género, já que em Novembro de 2020, o SIC recuperou outras quatro viaturas que se encontravam ilegalmente em posse do antigo administrador, Silvano Levy, já detido.

 Falando hoje à imprensa, o porta-voz do SIC na Huíla, Sebastião Vika, afirmou que a apreensão dos meios é fruto de uma investigação desenvolvida pelo Departamento Provincial de Combate à Corrupção.

 Afirmou que maior parte dos carros estavam na posse de trabalhadores que funcionavam  na secretaria-geral e gabinete do administrador-adjunto, alguns dos quais já reformados e outros cessaram o vínculo laboral.

Esclareceu que os especialistas do Departamento de Combate à Corrupção observaram anomalias entre a tabela de inventário e a existência física de meios, tendo desencadeado diligências, que facilitaram a localização dos mesmos.

 

Trata-se de sete viaturas ligeiras de marca Hyundai, modelo i10 e um Toyota Land Cruiser, modelo Prado, esta última encontrada na posse do antigo director do Instituto Médio de Economia, em serviço de táxi no troço Lubango-Cacula.

Trata-se da segunda acção do género, já que em Novembro de 2020, o SIC recuperou outras quatro viaturas que se encontravam ilegalmente em posse do antigo administrador, Silvano Levy, já detido.

 Falando hoje à imprensa, o porta-voz do SIC na Huíla, Sebastião Vika, afirmou que a apreensão dos meios é fruto de uma investigação desenvolvida pelo Departamento Provincial de Combate à Corrupção.

 Afirmou que maior parte dos carros estavam na posse de trabalhadores que funcionavam  na secretaria-geral e gabinete do administrador-adjunto, alguns dos quais já reformados e outros cessaram o vínculo laboral.

Esclareceu que os especialistas do Departamento de Combate à Corrupção observaram anomalias entre a tabela de inventário e a existência física de meios, tendo desencadeado diligências, que facilitaram a localização dos mesmos.