Sonangol constrói centro de armazenamento de combustível

  • Parte do edifício da SONANGOL
Saurimo - A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) está a construir, no município de Saurimo, província da Lunda Sul, um centro de armazenamento de combustível, para facilitar a distribuição deste produto na região.

A construção do depósito começou em Junho de 2020 e poderá terminar em Março deste ano, sendo que a obra está orçada em mais de dois milhões de dólares, cujos trabalhos estão a ser executados pela empresa Wangol Grupo.

O centro terá capacidade para armazenar 900 metros cúbicos de combustível, sendo 600 para gasóleo e 300 para gasolina.

Em declarações hoje, terça-feira, à imprensa, à margem da visita do secretário de Estado para Recursos Minerais e Gás, Jânio Victor, à província da Lunda Sul, o coordenador da obra, Albertino Cassita, explicou que a empreitada estava programada para durar três meses, mas por questões “conjunturais” o prazo da conclusão da obra foi alargado para Março deste ano.

Apontou a pandemia da Covid-19 e factores climáticos como sendo os principais motivos do atraso da conclusão da obra, mas ressaltou que os técnicos estão empenhados no sentido de finalizarem os trabalhos dentro do novo prazo estabelecido.

Por sua vez, Jânio Victor disse que as obras estão ainda no seu início e por isso poderão sofrer alterações para melhor se adequar às necessidades da província da Lunda Sul.

 

A construção do depósito começou em Junho de 2020 e poderá terminar em Março deste ano, sendo que a obra está orçada em mais de dois milhões de dólares, cujos trabalhos estão a ser executados pela empresa Wangol Grupo.

O centro terá capacidade para armazenar 900 metros cúbicos de combustível, sendo 600 para gasóleo e 300 para gasolina.

Em declarações hoje, terça-feira, à imprensa, à margem da visita do secretário de Estado para Recursos Minerais e Gás, Jânio Victor, à província da Lunda Sul, o coordenador da obra, Albertino Cassita, explicou que a empreitada estava programada para durar três meses, mas por questões “conjunturais” o prazo da conclusão da obra foi alargado para Março deste ano.

Apontou a pandemia da Covid-19 e factores climáticos como sendo os principais motivos do atraso da conclusão da obra, mas ressaltou que os técnicos estão empenhados no sentido de finalizarem os trabalhos dentro do novo prazo estabelecido.

Por sua vez, Jânio Victor disse que as obras estão ainda no seu início e por isso poderão sofrer alterações para melhor se adequar às necessidades da província da Lunda Sul.