TPA e TV Zimbo fazem "black out" à UNITA

  • Marcha da UNITA
Luanda - A Televisão Pública de Angola (TPA) e a TV Zimbo anunciaram, esta segunda-feira, que deixarão de cobrir as actividades da UNITA, até haver um pedido de desculpas, pelos actos de intimidação contra os seus profissionais.

A medida decorre da tentativa de agressão e intimidação protagonizada por militantes e simpatizantes deste partido contra  jornalistas dos dois órgãos de comunicação social escalados para a cobertura da manifestação de sábado (11).

Em comunicados separados, as estações televisivas condenam o comportamento agressivo dos manifestantes, realçando que, enquanto a direcção do partido não se retratar públicamente, reservam-se no directo de não cobrir às suas actividades e de não entrevistar os seus dirigentes.

Adiantam, ainda, que deixam de convidar militantes, responsáveis e dirigentes do referido partido em debates, até que a direção da UNITA, ao mais alto nível, peça desculpas públicas e se comprometa a impedir esses actos de intolerância.

A propósito, partidos políticos com assento parlamentar condenaram, igualmente, os actos perpetrados contra os jornalistas, considerando que tal comportamento fere os ditames da democracia.

O governo, através do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS), já repudiou os actos de intimidação e de agressão contra os profissionais de imprensa.

Em nota, o MINTTICS considera ser uma atitude inqualificável e de violação ao exercício da liberdade de imprensa.

O MINTTICS lamentou o sucedido por estar em causa direitos consagrados na Constituição, apelando ao partido UNITA para assumir as responsabilidades e ajudar as autoridades a identificarem os autores deste acto deplorável num Estado Democrático e de Direito.

A medida decorre da tentativa de agressão e intimidação protagonizada por militantes e simpatizantes deste partido contra  jornalistas dos dois órgãos de comunicação social escalados para a cobertura da manifestação de sábado (11).

Em comunicados separados, as estações televisivas condenam o comportamento agressivo dos manifestantes, realçando que, enquanto a direcção do partido não se retratar públicamente, reservam-se no directo de não cobrir às suas actividades e de não entrevistar os seus dirigentes.

Adiantam, ainda, que deixam de convidar militantes, responsáveis e dirigentes do referido partido em debates, até que a direção da UNITA, ao mais alto nível, peça desculpas públicas e se comprometa a impedir esses actos de intolerância.

A propósito, partidos políticos com assento parlamentar condenaram, igualmente, os actos perpetrados contra os jornalistas, considerando que tal comportamento fere os ditames da democracia.

O governo, através do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social (MINTTICS), já repudiou os actos de intimidação e de agressão contra os profissionais de imprensa.

Em nota, o MINTTICS considera ser uma atitude inqualificável e de violação ao exercício da liberdade de imprensa.

O MINTTICS lamentou o sucedido por estar em causa direitos consagrados na Constituição, apelando ao partido UNITA para assumir as responsabilidades e ajudar as autoridades a identificarem os autores deste acto deplorável num Estado Democrático e de Direito.