Bispo de Saurimo apela a conjugação de esforços por Angola

Dundo – O arcebispo de Saurimo, Dom José Imbamba, afirmou, na segunda-feira, ser dever de todos angolanos trabalhar na construção de uma nova Angola, baseada na tolerância sociopolítica, convivência na diversidade, unidade e reconciliação.

O arcebispo fez este apelo quando dissertava sobre “O resgate de valores morais e cívicos” numa palestra promovida pelo governo da Lunda Norte, no âmbito das comemorações 45º aniversário da Independência Nacional.

De acordo com o bisppo, Angola precisa de novas mentalidades política, social, económica, religiosa e cultural, para fomentar o convívio de inteligências e de vontades, que favorecem a conquista da paz social, do desenvolvimento e do humano.

Conforme o religioso, é fundamental que as instituições se fortalecem e se afirmem, para conquistarem a confiança dos cidadãos.

“O ambiente cultural que nos envolve não é saudável, porque está cheio de vícios e desvios que precipitaram às pessoas a determinados actos nada abonatórios para o convívio social, como à desonestidade,  prepotência, intolerância, incompetência,  ineficiência, insensibilidade, ganância,  mediocridade e a burocracia institucional”, frisou.

Estas lacunas, prosseguiu, levou o país a viver num ambiente de ilicitudes pacificamente assumidas, “esvaziando à força e à nobreza das instituições, banalizando o trabalho justo e honesto, sacrificando o mérito, incentivando a cultura da impunidade e da corrupção.

Neste âmbito, encorajou o Estado a prosseguir com combate à corrupção e à impunidade, para o desenvolvimento socioeconómico que se pretende no país.

Aconselhou os gestores públicos a assumirem novos padrões de condutas e procedimentos conducentes, comprometendo-se com o bem comum.

No âmbito das celebrações do 45º aniversário da Independência Nacional, o governo da Lunda Norte prevê a inauguração de várias infra-estruturas sociais, com realce para o Sistema de Captação, Tratamento e Distribuição de Água, Instituto Médio Politécnico e uma central térmica no município de Lucapa.

 

O arcebispo fez este apelo quando dissertava sobre “O resgate de valores morais e cívicos” numa palestra promovida pelo governo da Lunda Norte, no âmbito das comemorações 45º aniversário da Independência Nacional.

De acordo com o bisppo, Angola precisa de novas mentalidades política, social, económica, religiosa e cultural, para fomentar o convívio de inteligências e de vontades, que favorecem a conquista da paz social, do desenvolvimento e do humano.

Conforme o religioso, é fundamental que as instituições se fortalecem e se afirmem, para conquistarem a confiança dos cidadãos.

“O ambiente cultural que nos envolve não é saudável, porque está cheio de vícios e desvios que precipitaram às pessoas a determinados actos nada abonatórios para o convívio social, como à desonestidade,  prepotência, intolerância, incompetência,  ineficiência, insensibilidade, ganância,  mediocridade e a burocracia institucional”, frisou.

Estas lacunas, prosseguiu, levou o país a viver num ambiente de ilicitudes pacificamente assumidas, “esvaziando à força e à nobreza das instituições, banalizando o trabalho justo e honesto, sacrificando o mérito, incentivando a cultura da impunidade e da corrupção.

Neste âmbito, encorajou o Estado a prosseguir com combate à corrupção e à impunidade, para o desenvolvimento socioeconómico que se pretende no país.

Aconselhou os gestores públicos a assumirem novos padrões de condutas e procedimentos conducentes, comprometendo-se com o bem comum.

No âmbito das celebrações do 45º aniversário da Independência Nacional, o governo da Lunda Norte prevê a inauguração de várias infra-estruturas sociais, com realce para o Sistema de Captação, Tratamento e Distribuição de Água, Instituto Médio Politécnico e uma central térmica no município de Lucapa.