Uíge prevê recensear mais de três mil jovens

Uíge - Três mil e 780 jovens do sexo masculinos, nascidos nos anos 2002 e 2003, poderão ser recenseados, este ano, na província do Uíge, informou nesta segunda-feira, o director municipal dos Registos e Modernização Administrativa da província, Sebastião Haufico.

Em 2020, o centro de recrutamento e mobilização das Forças Armadas Angolana (FAA) no Uíge, recenseou três mil 533 cidadãos nacionais.

Segundo o responsável, que falava na abertura do processo de recenseamento nos 16 municípios da província do Uíge, o processo poderá se extender até ao próximo mês de Fevereiro.

O recenseamento militar tem como finalidade determinar o controlo das reservas e a renovação dos efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA).

Por sua vez, o representante da Educação Patriótica da Região Militar Norte, Zacarias Fernandes, explicou que os cidadãos abrangidos que não se recensearem, este ano, serão considerados, em 2022, como faltosos, segundo a Lei do Recenseamento Militar.

Por isso, pediu aos jovens a fluírem em massa aos postos de registo dos seus municípios.

Já o estudante João Peregrino mostrou-se satisfeito por ter o seu cartão e prometeu seguir os exemplos de muitos militares que contribuiram na defesa da pátria.

A lei 1/93 de 26 de Março de 1993 estabelece que a prestação do serviço militar obrigatório num dos três ramos das forças armadas é um dever e um direito dos cidadãos angolanos, no âmbito defesa da pátria.

 

Em 2020, o centro de recrutamento e mobilização das Forças Armadas Angolana (FAA) no Uíge, recenseou três mil 533 cidadãos nacionais.

Segundo o responsável, que falava na abertura do processo de recenseamento nos 16 municípios da província do Uíge, o processo poderá se extender até ao próximo mês de Fevereiro.

O recenseamento militar tem como finalidade determinar o controlo das reservas e a renovação dos efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA).

Por sua vez, o representante da Educação Patriótica da Região Militar Norte, Zacarias Fernandes, explicou que os cidadãos abrangidos que não se recensearem, este ano, serão considerados, em 2022, como faltosos, segundo a Lei do Recenseamento Militar.

Por isso, pediu aos jovens a fluírem em massa aos postos de registo dos seus municípios.

Já o estudante João Peregrino mostrou-se satisfeito por ter o seu cartão e prometeu seguir os exemplos de muitos militares que contribuiram na defesa da pátria.

A lei 1/93 de 26 de Março de 1993 estabelece que a prestação do serviço militar obrigatório num dos três ramos das forças armadas é um dever e um direito dos cidadãos angolanos, no âmbito defesa da pátria.