Uíge: Ravinas ameaçam “engolir” casas no Milunga

Uíge - Duas ravinas nascidas no meio de mais de 20 casas, na sede do município de Milunga, na província do Uíge, ameaçam “engolir” grande parte dessas habitações, se não houver intervenção imediata.

As ravinas,  de 80 e 100 metros de extensão, 50 metros de largura e 35 de profundidade,  podem desalojar e causar mortes de mais de 20 familias, porque continuam a alastrar-se com as chuvas que caem nos últimos dias.

Em consequência, algumas famálias já abandoram as suas casas, sendo que outras clamam pela intervenção imediata, uma vez que tais barrancos já se encontram a um metro das suas residências.

Nesta zona afectada pelas ravinas, estão, igualmente, em risco algumas casas dos 200 focos habitacionais do município de Miluga.

Ouvido pela Angop, o cidadão João Bernardo disse ter pedido ao governado provincial para estancar as ravinas com urgência, porque estariam a salvaguardar a vida de muitas  famílias.

Por sua vez, o cidadão Kakoka Luvungo disse que já retirou a família para viver em casa de renda. “O que está em jogo é a vida da minha família”, lamentou o cidadão.

Ao reagir a esse facto, numa visita efectuada ao decimo município da província, o governador José Carvalho da Rocha informou que, em colaboração com o Ministério da Construção e Obras Públicas, gizou-se um plano estratégico para a contenção das ravinas.

“Estamos a espera da disponibilidade financeira para o arranque dos trabalhos, até porque o estancamento dessas ravinas faz parte das prioridade do governo do Uíge” respondeu aos municípes de Milunga.

Das 180 ravinas contabilizadas pelo departamento das obras públicas da província do Uíge, o município de Milunga conta com 15.

 

As ravinas,  de 80 e 100 metros de extensão, 50 metros de largura e 35 de profundidade,  podem desalojar e causar mortes de mais de 20 familias, porque continuam a alastrar-se com as chuvas que caem nos últimos dias.

Em consequência, algumas famálias já abandoram as suas casas, sendo que outras clamam pela intervenção imediata, uma vez que tais barrancos já se encontram a um metro das suas residências.

Nesta zona afectada pelas ravinas, estão, igualmente, em risco algumas casas dos 200 focos habitacionais do município de Miluga.

Ouvido pela Angop, o cidadão João Bernardo disse ter pedido ao governado provincial para estancar as ravinas com urgência, porque estariam a salvaguardar a vida de muitas  famílias.

Por sua vez, o cidadão Kakoka Luvungo disse que já retirou a família para viver em casa de renda. “O que está em jogo é a vida da minha família”, lamentou o cidadão.

Ao reagir a esse facto, numa visita efectuada ao decimo município da província, o governador José Carvalho da Rocha informou que, em colaboração com o Ministério da Construção e Obras Públicas, gizou-se um plano estratégico para a contenção das ravinas.

“Estamos a espera da disponibilidade financeira para o arranque dos trabalhos, até porque o estancamento dessas ravinas faz parte das prioridade do governo do Uíge” respondeu aos municípes de Milunga.

Das 180 ravinas contabilizadas pelo departamento das obras públicas da província do Uíge, o município de Milunga conta com 15.